“Um passo significativo rumo à reconciliação das duas maiores Igrejas cristãs na Alemanha.” Com essas palavras, o presidente da Conferência Episcopal Alemã e o presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha, respectivamente, o Cardeal Reinhard Marx e o Bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, avaliam a primeira peregrinação comum à Terra Santa. A visita, com a participação de uma delegação de nove bispos das duas Igrejas, teve início no domingo, 16 de outubro.

[b]Criar as premissas para relações mais estreitas entre as duas Igrejas
[/b]
As etapas principais da peregrinação foram Jerusalém, Belém e o Mar da Galileia, onde tiveram encontros de caráter religioso e com personalidades políticas, e a visita ao memorial do Holocausto. O objetivo primário era criar as premissas para relações mais estreitas entre as duas Igrejas de Cristo “mediante a solidariedade expressa pela fé”.

[b]Celebrações de 2017 reforçarão caminho rumo à plena unidade
[/b]
Numa mensagem conjunta difundida ao término da visita e reportada pela agência Sir, o Cardeal Marx e o Bispo Bedfor-Strohm ressaltam a importância desta visita no Ano Santo da misericórdia convocado pelo Papa Francisco e faltando poucos meses para o início das celebrações, em 2017, do quinto centenário da Reforma luterana.

“A nossa missão comum para nosso país ainda não foi completada. Estamos certos de que a festa de Cristo em 2017 será um testemunho crível de Deus e nos reforçará em nosso caminho rumo à plena unidade visível”, escrevem os dois presidentes no documento, que definem uma “mensagem de Cristo”.

[b]Diversidade reconciliada, um objetivo árduo
[/b]
“No encontro com os Lugares Santos percebemos a unidade profunda entre nós, discípulas e discípulos de Cristo, no seu seguimento”, disse na sexta-feira o Cardeal Marx numa coletiva em Jerusalém.

O Rev. Bedford-Strohm descreveu a peregrinação como uma “experiência memorável”, na qual “aprendemos a ver através dos olhos dos outros.

Essa é uma base muito sólida para o espírito ecumênico do aniversário da Reforma”, mas “na celebração eucarística e na comunhão sentimos também que a diversidade é um objetivo árduo”, disse o bispo luterano.

[b]Fonte: Rádio Vaticano[/b]