A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) condenou nesta quarta-feira o fim das transmissões abertas do canal privado RCTV e pediu aos venezuelanos que convivam em paz e evitem atos de violência.

A posição dos bispos foi divulgada aos jornalistas, em Caracas, por Ubaldo Santana, presidente da CEV.

A RCTV deixou de transmitir em sinal aberto à meia-noite do dia 27 de maio, o que não significou seu fechamento, já que segue produzindo noticiários, telenovelas e outros programas de entretenimento, segundo porta-vozes da empresa. O governo venezuelano decidiu não renovar a concessão para que a RCTV seguisse usando a freqüência na qual transmitiu durante os últimos 53 anos.

Santana “deplorou” a decisão governamental e disse que foi tomada a despeito “dos respeitosos pedidos em contrário, feitos em reiteradas ocasiões”. Ele pediu aos venezuelanos, e especialmente aos dirigentes, que “trabalhem para manter a paz e evitem qualquer ato violento”.

Também rejeitou as afirmações feitas por porta-vozes oficiais, que qualificaram de “conspiração” as manifestações realizadas nos últimos dias por diferentes setores de oposição. Em 30 de maio, a CEV pediu a todos os cidadãos, independentemente de cargos ou preferências políticas, “que se abstenham de qualquer ato violento”.

Em 1º de junho, a organização voltou a pedir concórdia e se declarou disposta a servir de mediadora entre os estudantes e os deputados da Assembléia Nacional (AN). A AN convidou estudantes pró-governamentais e de oposição para comparecer à sede do organismo, nesta quinta-feira, para debater a situação do país e o caso RCTV.

Fonte: Terra