O secretário-geral da CEI (Conferência Episcopal Italiana), monsenhor Mariano Crociata, ressaltou hoje a necessidade de oferecer suporte às vítimas de pedofilia.

“Que as vítimas sejam prontamente ajudadas e escutadas, e o responsável pelos abusos possa ser afastado e perseguido”, disse o religioso, em entrevista sobre a 63ª Assembleia Geral da CEI.

Ele apresentou as diretrizes formuladas por um grupo de especialistas que trabalha há cerca de um ano para estabelecer medidas contra abusos sexuais.

Segundo Crociata, o “responsável” por reportar as denúncias “é sempre o bispo diocesano, que age prontamente na comunicação constante com a Congregação para a Doutrina da Fé”.

O secretário-geral, no entanto, negou que haja divergências entre a posição da CEI e a de outras Conferências Episcopais, como a alemã e a britânica.

De acordo com ele, há apenas diferenças no modo como cada entidade enfrenta as situações, pois as Conferências Episcopais são “organismos pastorais de coordenação entre os bispos, e não instituições autoritárias sobre os bispos”.

“Por exemplo, a Conferência Episcopal francesa não instituiu nenhuma comissão contra os abusos, referindo-se diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé”, explicou.

Ontem o presidente da CEI, cardeal Angelo Bagnasco, repudiou os crimes de pedofilia, definindo-os como “uma infame emergência que ainda não foi superada, que causa danos incalculáveis aos jovens e às suas famílias, aos quais não paramos de apresentar a nossa dor e nossa incondicional solidariedade”.

[b]Fonte: Folha Online[/b]