Os bispos espanhóis levantaram-se contra o governo socialista de José Luis Zapatero, reprovando-o por ter negociado com “a organização terrorista” ETA, segundo uma nota de “orientação moral” publicada ontem, ante das eleições gerais de 9 de março na Espanha.

“Uma sociedade que quer ser livre e justa não pode reconhecer explícita nem implicitamente uma organização terrorista como representante política de nenhum setor da população, nem pode tê-la como interlocutor político”, asseguram os bispos em uma nota intitulada “Diante das eleições gerais de 2008”.

A hierarquia eclesiástica espanhola fez alusão, assim, à fracassada tentativa de diálogo do governo espanhol com a ETA, iniciado após o cessar-fogo permanente que a organização separatista basca havia decretado em março de 2006, e ao que pôs formalmente um ponto final em junho de 2007.

A Conferência Episcopal Espanhola (CEE) alinhou-se, desta maneira, à tese do Partido Popular (PP, direita), radicalmente oposto à negociação com o ETA.

Os socialistas divulgaram nota de resposta, nesta quinta-feira, considerando “imoral o fato de que os bispos, assim como o PP (Partido Popular, principal da oposição) utilizarem o tema do terrorismo para fazer campanha eleitoral”.

Fonte: AFP