A Igreja anglicana pode sofrer um cisma ainda este ano caso se concretize o plano de um arcebispo conservador africano de “adotar” um grupo de dioceses dos Estados Unidos que se opõem à sagração de bispos homossexuais.

Segundo informa hoje o jornal “The Daily Telegraph”, o arcebispo, não identificado, permitiria que dioceses conservadoras abandonassem o setor liberal da Igreja Anglicana (episcopal) dos EUA. Elas se filiariam à sua província eclesiástica.

O arcebispo de Canterbury e primaz dos anglicanos, Rowan Wiliam, foi supostamente informado desse plano. Os seus assessores temem que, na prática, haja um cisma não só na comunhão anglicana mundial mas na própria Igreja da Inglaterra.

Críticos conservadores acreditam que Williams simpatiza com os liberais e permitirá, por omissão, que a Igreja Anglicana se fragmente, diz o jornal.

Até o momento, só algumas paróquias abandonaram a Igreja episcopal americana e se filiaram a províncias conservadoras. Mas, pelos novos planos, dioceses inteiras dos EUA poderão adotar a iniciativa, numa clara escalada do conflito com os liberais.

Segundo o jornal, os bispos conservadores americanos já realizaram amplas consultas secretas com os da província africana que se dispõe a abrir as suas portas.

O líder da rede conservadora de bispos americanos, o bispo de Pittsburgh, Bob Duncan, prevê que até cinco dioceses podem aderir ao salto, que ele mesmo chama de “uma Reforma dos tempos modernos”.

A Igreja Episcopal deverá declarar vacantes as dioceses que se filiarem às províncias conservadoras africanas. Serão nomeados novos bispos, e assim duas igrejas anglicanas disputarão o mesmo território.

Segundo o bispo Duncan, os esforços do primaz para manter a unidade anglicana mundial acabaram minando sua própria autoridade como arcebispo de Canterbury. A “vitória” do bispo abertamente homossexual Gene Robinson, cuja consagração em 2003 desencadeou a crise na comunhão anglicana, teve “um custo tremendo”, afirmou.

Fonte: EFE