O patriarca da Igreja Ortodoxa búlgara, Maxim, enviou hoje uma carta ao prefeito de Sófia, Boyko Borissov, reivindicando a proibição da Parada do Orgulho Gay prevista para amanhã no Iuzhen Park, um dos maiores parques da capital da Bulgária.

Na carta, a parada é definida como “um evento ultrajante e ímpio”, que poderia induzir “à tentação”. “Nós nos voltamos a Ele (Deus) para que bloqueie essa parada amoral e torpe, contrária à consciência cristã”, prosseguiu o patriarca.

O site da organização gay Gemini, que promove o desfile, recomenda que os participantes “não reajam às injúrias, não provoquem os opositores e não se distanciem do cortejo”.

Várias organizações nacionalistas também se pronunciaram contra a parada, que deve ser alvo de ataques violentos. Por isso, a polícia adotou rígidas medidas de segurança para garantir a ordem pública.

Segundo o presidente da Comissão Parlamentar dos Direitos Humanos, Ognian Ghergikov, “o pedido de incriminar as manifestações públicas dos homossexuais e de banir as organizações gays não corresponde às leis em vigor”.

“A Bulgária harmonizou a sua legislação com as diretivas européias e seria dar um passo para trás muito grave revê-la agora”, acrescentou.

Fonte: Ansa