O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, pediu nesta sexta-feira a seus aliados europeus que se unam contra o programa nuclear do Irã.

“Ao invés de nos apegarmos a nossas diferenças, estamos cada vez mais unidos sobre nossos interesses e ideais”, disse Bush na sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em Paris, parte da sua última visita presidencial à Europa.

“Pela segurança da Europa e pela paz do mundo, não devemos permitir que o Irã tenha uma arma nuclear”, acrescentou.

Depois de se tornar impopular no continente devido à guerra no Iraque, Bush agora prega uma solução diplomática no impasse com o Irã, mas deixa claro que a opção militar não está descartada.

Ele ainda iria jantar com o presidente Nicolas Sarkozy, com quem terá uma reunião formal no sábado.

Cerca de mil pessoas participaram de uma manifestação pacífica contra Bush no centro de Paris, tendo como principal foco a guerra do Iraque.

Em Teerã, um influente clérigo acusou Bush de “botar fogo no mundo” com sua campanha contra a República Islâmica. “O [programa nuclear] que o Irã está fazendo é meramente um trabalho científico e econômico. O que o Irã está fazendo só tem propósitos industriais e pacíficos”, disse o aiatolá Mohammed Emami-Kashani num sermão transmitido pela rádio pública.

PAPA

Também na sexta-feira, Bush se reuniu durante 30 minutos com o papa Bento 16 nos jardins do Vaticano, retribuindo a visita de abril do pontífice à Casa Branca.

Bush tinha discordâncias com o antecessor de Bento 16, João Paulo 2o, a respeito da guerra do Iraque, mas com o atual papa ele tem muitas afinidades morais, como na oposição ao aborto, ao casamento homossexual e à pesquisa com células-tronco embrionárias.

Em nota, o Vaticano disse que os dois discutiram “a defesa de valores morais fundamentais”, além do Oriente Médio e um compromisso pela paz na Terra Santa, a globalização e a crise alimentar mundial.

O jornal italiano La Repubblica disse que nem todos no Vaticano ficaram satisfeitos com o tratamento especial que Bento 16 dedica a Bush. Cardeais não-identificados lembraram com particular ressentimento do desrespeito do presidente norte-americano aos conselhos do falecido João Paulo 2o contra a guerra no Iraque.

Um funcionário do Vaticano próximo a Bento 16 disse à Reuters na sexta-feira que “o papa está fazendo isso porque é um cavalheiro, só isso”.

Completando sua viagem, Bush se reúne no domingo com o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown.

Fonte: Reuters