A Câmara de Sorocaba pode revogar o decreto que concedeu, no dia 25 de outubro, título de “Cidadão Sorocabano” ao apóstolo Estevam Hernandes Filho, fundador da Igreja Apostólica Renascer em Cristo.

Estevan Hernandes foi preso – ao lado da esposa a bispa Sônia Hernandes – e condenado no EUA por conspiração e contrabando de dinheiro, além de responder no Brasil pelas acusações de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato.

A iniciativa pela proposta de revogação partiu do vereador Benedito de Jesus Oleriano (PMN), enquanto que o autor do título, o pastor Carlos Cezar (PSC), classifica a medida como “preconceituosa e discriminatória”.

O projeto recebeu o apoio e consequentemente a assinatura de 16 vereadores, para que possa tramitar nas comissões permanentes e seguir a plenário. Ditão disse que apresentou a proposta depois de ter sido cobrado por populares em suas “andanças” pela cidade. “Eu estou fazendo a minha obrigação, atendendo a um clamor do povo. Tenho andado pelas ruas e ouvido manifestações contrárias. (O apóstolo) Não fez nenhum trabalho relevante para a cidade. Conhecemos apenas por jornais e pelas páginas policiais”, disparou.

Não assinaram e se manifestaram contra a revogação os pastores Irineu Toledo e Luis Santos (PMN), além do engenheiro Francisco Moko Yabiku (PSDB) e, obviamente o autor da iniciativa. “Essa uma iniciativa do vereador ele pensa assim. Ele tem o direito de pensar o que quiser. Eu acho que nós somos livres e temos o direito de opinar. Eu votarei contra certamente”, limitou-se Irineu Toledo. “Primeiro, que é uma iniciativa particular. Eu não concordo. Porque eu sugeri que fizesse o levantamento de todos que tiveram problema, pois quando o título foi dado não havia o problema com essa pessoa. Então, que se faça o levantamento de todos os títulos que foram dados e tiveram problemas. Só voto a favor se incluir todos. Se não considero discriminatório e preconceituoso”, declarou Luis Santos.

Já Carlos Cezar, autor do título, compartilhou da mesma opinião. Classificou a iniciativa de Ditão como discriminatória: “Essa é uma prerrogativa dele. A Casa vai decidir quando entrar em plenário, democraticamente. A minha consciência e manifestação é a mesma de quando apresentei a proposta”. De acordo com o Regimento Interno da Casa, cada parlamentar tem direito a apresentar oito projetos, por ano, referente à concessão de título de cidadão. O artigo 1.º da resolução 241, de 1995, destaca que a Câmara Municipal poderá conceder o título de “Cidadão Sorocabano” a ser dado a todas as pessoas de ambos os sexos, que de distinguirem pela sua atuação nos diversos campos do saber ou das atividades humanas e que, de qualquer maneira, estejam ligadas à cidade.

A Igreja Renascer em Cristo foi fundada em 1986 pelo casal Sônia Moraes Hernandes e Estevam Hernandes Filho. Em janeiro de 2007, Sônia e Estevam entraram nos EUA alegando que não portavam mais do que US$ 10 mil em moeda americana. Mas, na bagagem da família, durante uma revista, foram encontrados US$ 56.467 dólares. Parte do dinheiro estava escondida na capa de uma Bíblia e num porta CDs. Condenados por conspiração e contrabando de dinheiro, eles cumpriram 140 dias de prisão em regime fechado, seguida de cinco meses de prisão domiciliar.

O casal Estevam Hernandes e Sônia Hernandes, deixaram a prisão mas continuam sendo vigiados pela polícia norte-americana. O juiz que autorizou a saída deles da prisão obrigou o casal a usar uma espécie de tornozeleira eletrônica. No Brasil, eles são acusados de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato e são investigados pelo Ministério Público (MP). A reportagem tentou ouvir o apóstolo, sem sucesso.

Fonte: Cruzeiro do Sul