O cancelamento da apresentação da dupla Sandy & Junior durante a visita do Papa Bento XVI a São Paulo em maio não teve relação com uma campanha pelo uso de camisinhas estrelada pelos irmãos em 2003.

Quem afirmou foi o padre Marcelo Alves dos Reis, 36 anos, secretário-executivo da visita do Papa ao Brasil. “Isso não seria um obstáculo [para a escolha da dupla].”

A notícia de que a dupla faria uma apresentação no encontro dos jovens com o Papa, programado para o dia 10 de maio, no estádio do Pacaembu, foi divulgada no início do mês pelo jornal “Folha de S.Paulo”. No dia 7 de março, reportagem publicada no Globo Online informou que o show foi cancelado por “incompatibilidade de agenda”. O assunto voltou à tona na edição desta quinta (15) da “Folha”, que noticiou que a dupla foi vetada pela igreja em razão de seu perfil não religioso.

Segundo o padre Marcelo Alves, uma comissão composta por bispos e padres da arquidiocese de São Paulo ainda não havia definido quem se apresentaria no Pacaembu, mas “uma pessoa da comissão de jovens se entusiasmou e convidou a dupla”. “Mas não estava nada acertado”, disse.

O padre diz que a decisão sobre as bandas e cantores que vão se apresentar no encontro será tomada em uma reunião no dia 21 deste mês.

A assessoria da dupla confirmou o convite, mas alegou que as negociações não avançaram “em função da agenda”. Em nota, a assessoria informou que, “neste período de maio, Sandy e Junior estarão totalmente dedicados a um novo projeto da carreira”. O projeto ainda não foi anunciado.

Depois da desistência da dupla, grupos católicos como Anjos de resgate, Rosa de Saron e Dominus são as presenças mais prováveis no encontro. De acordo com padre Alves, a presença de Sandy & Júnior na lista já havia provocado manifestações contrárias, por e-mail, de jovens questionando “a representatividade da dupla entre os católicos”.

Fonte: G1