Para tentar estancar a perda de votos entre os evangélicos, a campanha de Dilma Rousseff (PT) escalou aliados para percorrerem igrejas no Rio de Janeiro.

Ontem e anteontem, os deputados federais Eduardo Cunha (PMDB) e Felipe Pereira (PSC) visitaram templos da Assembleia de Deus, denominação com o maior número de fiéis no país.

Cunha, que é da igreja Sara Nossa Terra, disse ontem em Madureira (zona norte da cidade) que a petista é contra o aborto e que informações que circulam na internet “não passam de uma onda de boatos plantados pelos adversários”.

Reeleito com 150 mil votos, ele é um dos parlamentares mais influentes do PMDB, e próximo do candidato a vice de Dilma, Michel Temer.

Cunha afirmou que a campanha do PSDB também está distribuindo panfletos apócrifos para vincular a imagem de Dilma à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. “Não podemos basear nosso voto numa mentira”, afirmou o deputado no templo.

Na noite de anteontem, em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), Cunha havia dito aos fiéis que é “importante que, sabendo da verdade, possamos decidir”. Fez também uma citação bíblica: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

O deputado negou que a candidata do PT tenha dito que “nem Jesus Cristo me tira essa vitória” –frase atribuída a Dilma na internet. “Se aparecer uma gravação dela dizendo isso, eu até mudo meu voto.”

Ainda ontem, Cunha iria a mais dois cultos nas zonas norte e oeste do Rio.

[b]”MISSÃO”
[/b]
O pastor Abner Ferreira, que presidiu o culto em Madureira, ressaltou que a discussão política faz parte da “missão” do “povo de Deus”, e orientou os fiéis a votarem em Dilma. “Não podemos deixar que esses boatos, essas mentiras, atrapalhem.”

Ferreira disse que foi o presidenciável José Serra (PSDB), quando ministro da Saúde, que permitiu o atendimento no SUS de casos de abortos permitidos em lei.

“O Plano Nacional de Direitos Humanos, de que tanto tem se falado, teve suas duas primeiras versões no governo de Fernando Henrique”. afirmou o pastor.

Houve quem declarasse não estar convencido. Os irmãos Eder e Eduardo, diáconos do templo e que preferiram não revelar o sobrenome, disseram ter votado em Marina Silva (PV) no primeiro turno e estar ainda indecisos para o segundo.

Em Nova Iguaçu, o vendedor Anderson Torino, 20, disse que vai seguir a orientação de Marina. “Se ela ficar neutra, eu vou votar nulo.”

Ele disse não achar “saudável” que os pastores declarem seus votos. “É errado a igreja apoiar Dilma, influencia o voto de muita gente.”

[b]Fonte: Estadão
[/b]