[img align=left width=296]http://www.folhagospel.com/imagem/papa_francisco_2013.jpg[/img]Para o chefe da editoria de religião do jornal alemão, Deutsche Welle, Stefan Dege, ao declarar santos João Paulo 2° e João 23, Francisco evita se posicionar sobre as brigas internas da Igreja.

Ninguém pressionou o papa Francisco a canonizar ao mesmo tempo dois pontífices que o precederam. Mas ele tinha boas razões para fazê-lo.

Os dois papas representam posições opostas na Igreja. E o atual papa se posicionou exatamente entre eles. Foi uma jogada diplomática brilhante.

João Paulo 2°, também conhecido como o papa viajante, destacou-se na unificação política da Europa. Ao mesmo tempo, deu um curso conservador à Igreja.

Já João 23 “abriu portas e janelas, para deixar entrar um ar fresco na Igreja”, como disse um historiador eclesiástico. Ele iniciou o Concílio Vaticano 2º, com suas reformas, garantindo, assim, uma abertura rumo às pessoas.

Uma canonização recai sobre o papa que a realiza, mesmo que ele não tenha iniciado o processo. Ele revela sua visão do pontificado. O conservador polonês aqui, o reformador italiano ali – Francisco se coloca entre esses dois opostos, mas sem enfatizar a oposição existente entre eles. O papa Francisco quer que eles sejam vistos como complementares.

E isso é inteligente. Só assim Francisco constrói pontes, o que é urgentemente necessário. Pois a briga por mais influência dentro da Igreja é grande. Após a posse do humilde e carismático Francisco, há um ano, começou nos bastidores do Vaticano − e não somente lá − um ferrenho cabo-de-guerra entre tradicionalistas e reformistas.

Os próximos passos de Francisco − no Sínodo sobre moral sexual católica, no segundo semestre, ou no que tange à questão da descentralização das decisões eclesiásticas − vão mostrar até onde vai sua coragem para realizar reformas. E quem o seguirá dentro da Igreja.

Com a dupla canonização, o papa Francisco não definiu uma posição. Mas manteve − para todos poderem ver − todas as opções em aberto.

[b]Fonte: Opinião de Stefan Dege – Site do jornal Deutsche Welle[/b]