O cantor, que é homossexual assumido, contou que descobriu a possibilidade de se envolver sexualmente com o mesmo sexo na Igreja Católica, quando fez Primeira Comunhão.

Ney Matogrosso fez várias revelações à revista “Rolling Stone” deste mês. Para as fotos, a cargo de Marcos Hermes, o cantor avisou logo que era contra qualquer retoque em seus retratos. “Detesto aqueles Photoshops que deixam todo mundo igual, com cara de plástico.” Na entrevista, o cantor, que está com 66 anos e é homossexual assumido, contou que descobriu a possibilidade de se envolver sexualmente com o mesmo sexo na Igreja Católica, quando fez Primeira Comunhão. No confessionário, o padre perguntou a Ney se ele havia feito saliência com meninas. Ao ouvir um não como resposta, o clérigo quis saber se ele teria se envolvido com meninos. “Então me perguntei: E pode?”

Até hoje ele não consegue entender por qual milagre não contraiu Aids. Ney é da época em que o sexo era livre, e o uso de preservativos, coisa rara. “Eu tinha passado pela mão de vários que estavam doentes. Quando deu negativo, eu pedi a vários médicos uma explicação. Não tem”, contou ele, que revelou ter sido o cantor Cazuza um dos três grandes amores de sua vida. “Eu tinha muito medo de relacionamentos. Com ele vi que era possível um relacionamento além do sexo.”

O cantor, que está em turnê com o show “Inclassificáveis”, revelou também que conheceu a maconha na época que servia na Aeronáutica. “Era para dar larica, todo mundo fumava para conseguir comer, porque a comida era horrível. Sempre usei droga para abrir minha percepção. Quando tenho uma dúvida, uso maconha como terapia. E aí aflora, porque a resposta está dentro de mim.”

Fonte: Globo Online