Joseph Zen, cardeal da diocese católica de Hong Kong, criticou Liu Bainian, vice-presidente da Associação Patriótica Católica Chinesa, por “semear a discórdia” entre o clero com as ordenações unilaterais de bispos, informa o jornal “South China Morning Post”.

O Governo chinês havia acusado o cardeal de dificultar a aprovação pelo Vaticano das ordenações de bispos na China e a normalização dos laços com a Santa Sé.

O centro da polêmica ainda é a ordenação, em 2006, de Ma Yingling.

Liu Bainian disse na semana passada que a China tentou, por pelo menos quatro canais diferentes, a aprovação do Vaticano para a ordenação de Ma, e insinuou que Zen foi o maior obstáculo.

A acusação foi categoricamente negada pelo cardeal. Ele disse que só soube das intenções da China dias antes da cerimônia e que ajudou a suavizar os relatórios negativos sobre Ma.

A ordenação do bispo, considerada ilícita pelo Vaticano, foi a primeira das três no ano passado que prejudicaram as negociações diplomáticas entre a Santa Sé e a China.

Na terça-feira, Zen recomendou a adoção do modelo vietnamita, segundo o qual o Vaticano apresenta vários candidatos, dos quais o Governo escolhe um, e o Papa dá sua aprovação final.

Fonte: EFE