O cardeal escocês Keith O’Brien deixou a Anistia Internacional (AI), em protesto contra a atitude da organização de defender o direito da mulher a abortar em determinadas circunstâncias.

O’Brien enviou uma carta, divulgada pela imprensa, ao diretor da AI na Escócia, John Watson. Ele justificou sua saída alegando “a recente decisão do Conselho Internacional da Anistia Internacional de apoiar a legalização do aborto”.

“Por uma questão de consciência e com grande tristeza decidi deixar a Anistia Internacional, à qual me uni na minha época de estudante e que apoiei durante décadas”, explicou o cardeal.

O bispo Michael Evans, da Anglia Oriental, na semana passada havia anunciado também a sua saída da organização, após 31 anos. Ele previu então que seria “um entre os muitos” que abandonariam a Anistia Internacional por causa da sua postura a favor do aborto.

Mike Blakemore, porta-voz da AI, explicou que a organização não defende o aborto em si, mas “o direito da mulher de tomar uma decisão sobre sua própria saúde sexual, livre de coerção, discriminação e violência”.

“Reconhecemos a proteção do feto como vinculada inseparavelmente ao direito à saúde e à vida da mãe”, acrescentou.

A Anistia Internacional confirmou este mês, numa reunião de seu conselho internacional, no México, sua política a favor de que as autoridades facilitem o acesso da mulher ao aborto em caso de estupro, incesto ou quando a gravidez represente um risco grave para a sua saúde.

Fonte: EFE