O cardeal Jorge Bergoglio gerou uma mobilização interna com a pergunta lançada em carta aos sacerdotes e consagrados de sua diocese: Rezamos? Rezamos o suficiente? – indagou.

A carta, reproduzida em parte pelo jornal “La Nación” na edição de hoje, chega aos religiosos em tom confidente. O cardeal confessou que se pergunta o mesmo sobre sua própria vida e se disse consciente da luta contra os poderes do mundo que querem desterrar o Deus vivo.

A Igreja Católica argentina teve fortes embates com o governo do presidente Kirchner e seus princípios políticos e com setores sociais que lutam pelos direitos das mulheres, das leis de saúde reprodutiva e pela despenalização do aborto. Talvez ressonâncias dessas divergências rondem a mente de Bergoglio quando afirma: “Também sentimos o peso, quando não a angústia, de uma civilização pagã que prega seus princípios e seus falsos ‘valores’ com tal desfaçatez e segurança de si mesma que nos faz cambalear em nossas convicções, na constância apostólica”.

“Quando oramos, estamos lutando pelo nosso povo”, assegurou. O cardeal convidou os católicos a ter “o coração fatigado na oração”.

Fonte: ALC