O cardeal primaz do México, Norberto Rivera, foi ouvido nesta quarta-feira por um representante da Corte Superior de Los Angeles (sudoeste dos Estados Unidos) sobre um caso de pedofilia, afirmou um porta-voz da Rede de Sobrevivente de Abusos por Sacerdotes (SNAP).

“O cardeal Norberto Rivera presta depoimento na Corte Superior da Califórnia, nos Estados Unidos, (…) estamos muito preocupados porque o cardeal exigiu que as informações fossem completamente confidenciais, que nada seja divulgado de sua entrevista”, explicou Erick Barragán, porta-voz da SNAP.

Esta é a primeira vez que um clérigo mexicano aceita submeter-se a uma jurisdição americana em um caso de pedofilia.

Rivera está sendo acusado na Califórnia de encobrir um sacerdote mexicano que supostamente cometeu abusos sexuais em 1994 contra um menor no México. O acusado também teria trabalhado em Los Angeles.

A vítima aceitou em julho uma indenização paga pela arquidiocese de Los Angeles, ainda que segundo Barragán, prossiga o caso por ocultamente contra Norberto Rivera.

O interrogatório aconteceu na sede do Arcebispado na capital mexicana, não tendo sido permitido que os advogados do denunciante estivessem presentes, nem representantes da SNAP.

“Infelizmente não me permitiram participar”, apesar da petição expressa feita ao tribunal californiano, disse Barragán.

O caso contra Rivera começou em 2006 com a acusação feita contra ele por um mexicano, nos Estados Unidos: estaria acobertando os atos do sacerdote Nicolás Aguillar. Vários casos de abuso sexual com a participação de Aguillar já haviam sido denunciados no México nessa época.

Com base em um acordo entre a arquidiocese de Los Angeles e 508 vítimas de abusos sexuais, esta instituição religiosa terá que pagar 660 milhões de dólares a título de indenizações afetados.

Desse montante, segundo a imprensa mexicana, o homem que acusa Rivera receberá cerca de 50.000 dólares.

Fonte: AFP