“Os terroristas não venceram”, disse Luz, o principal cartunista da revista satírica francesa “Charlie Hebdo”,

Luz, o principal cartunista da revista satírica francesa “Charlie Hebdo”, alvo de um violento atentado jihadista em janeiro, anunciou que não vai mais fazer charges com o profeta Maomé, em uma entrevista divulgada nesta quarta-feira (29).

[img align=left width=300]http://imguol.com/c/entretenimento/2015/04/29/13jan2015—o-cartunista-luz-a-esq-e-o-colunista-patrick-pelloux-durante-a-apresentacao-da-edicao-da-charlie-hebdo-publicada-apos-o-atentado-contra-a-revista-francesa-1430327212231_615x300.jpg[/img]”Não vou desenhar mais a personagem de Maomé, ele não me interessa mais”, declarou.

Ele revelou que não fará mais charges do profeta à revista “Les Inrockuptibles”, em uma entrevista publicada nesta quarta-feira (29). “Eu não vou passar minha vida desenhando (charges de Maomé)”, afirmou.

Feito por Luz, o desenho de Maomé com a frase “Je Suis Charlie” (“Somos Charlie”), sob as palavra “Tudo está perdoado”, estampou a capa da “Charlie Hebdo”, uma semana após o atentado, que deixou 12 mortos. A edição pós-ataque teve uma tiragem de 8 milhões de exemplares –um recorde para a imprensa francesa.

“Os terroristas não venceram”, disse Luz à “Les Inrockuptibles”. “Eles terão vencido se toda a França continuar com medo”, adicionou, acusando o partido de extrema direita francês Frente Nacional de tentar espalhar medo entre a população logo após os ataques.

[b]Fonte: UOL[/b]