O casal Sonia e Estevam Hernandes, que comanda a Igreja Renascer em Cristo, está em liberdade vigiada nos Estados Unidos e com prisão decretada no Brasil, mas continua a comandar cultos ao vivo direto de Miami.

Reportagem do jornal O GLOBO deste domingo mostra que o casal tem usado os cultos para fazer pedidos insistentes de contribuições financeiras em troca de promessas de curas milagrosas, dinheiro fácil e sucesso profissional.

O culto da última quarta-feira foi acompanhado da sede da igreja em Brasília. O ápice do culto high-tech coincide com o pedido de doações e os fiéis são orientados a depositar cédulas de dinheiro em envelopes de papel deixados nas cadeiras dos templos. Estevam Hernandes relaciona a quantia da contribuição ao tamanho da graça a ser pedida.

Segundo a reportagem, ele chegou a dizer que ouviu uma ‘mensagem de Deus’ de que “uma quantia de 500 ou de 1.000” surgiria na conta bancária de seguidores ainda naquela semana ou “uma ótima oportunidade de emprego”. Mas a mensagem divina ser concretizada, os fiéis deveriam fazer a doação naquele momento. Hernandes conclamou então os presentes a erguer os envelopes em direção “aos céus” e pediu a Cristo para abençoar o dinheiro.

– Levante as duas mãos para os céus (com o envelope nas mãos) e diga: “Eu quero agora colocar o meu dinheiro, colocar os meus recursos à disposição da Sua voz, para que eu viva as maravilhas”. Aleluia. Em nome de Jesus – anunciou Hernandes.

Desde setembro passado, os bens e as contas bancárias dos Hernandes e da igreja foram bloqueados pela Justiça.

Os pedidos insistentes de contribuição são feitos em todos os cultos. Mas os “bispos” da Renascer se empenham para que os fiéis se tornem doadores fixos com o programa Gideão da Conquista. A igreja estimula o Gideão – personagem bíblico que passa por provações divinas – a fazer seu cadastro via internet e, com isso, passar a contribuir mensalmente com quantias que variam de R$ 30 a R$ 1 mil. O pagamento pode ser parcelado em até dez vezes no cartão.

Em conversa gravada por um repórter do GlOBO, uma atendente da Renascer disse que o dono de uma empresa que contribuir mensalmente – a chamada ‘empresa gideã’ – pode espalhar folhetos de propaganda de seu negócio na igreja para atrair os fiéis, aumentar o faturamento e, conseqüentemente, a contribuição. “Se o senhor quiser botar uns folhetos ou outra coisa para divulgar, não tem problema” disse.

Fonte: Gazeta do Povo