Karim e Arub são casados e estão na casa dos 70 anos de idade. O casal fugiu da cidade onde passou toda a sua vida, deixando tudo para trás, por causa da perseguição aos cristãos no Iraque.

Karim nos conta sua história: “Há quatro meses, minha esposa escutou um barulho no jardim. Ela olhou para ver o que tinha acontecido e viu quatro homens de máscara e túnicas brancas tentando incendiar nosso galpão”.

“Saí de casa e tentei impedi-los, mas eles me pegaram e começaram a me espancar. Minha esposa também saiu para pedir que eles não me matassem. Ela dizia: `Por favor, deixem-no ir. Ele não fez nada a vocês’. Mas um dos homens virou para ela e disse: ‘Mulher, cale a boca. Se disser mais uma palavra, atirarei em você!’”.

Martelada no crânio

“Eles me bateram muito e depois me mostraram um documento que declarava que eu queria me tornar um muçulmano. ‘Assine e poderá morar aqui; senão, você terá que ir embora’, eles disseram. Eu me recusei a assinar”.

Karim ainda treme quando conta o que aconteceu. “Eles tentaram martelar alguns pregos em meu crânio. Foi horrível. Finalmente, eles nos deixaram. Fugimos no dia seguinte para outro país”.

Hoje, Karim e Arub vivem em um apartamento pequeno em um país vizinho ao Iraque. O preço deste apartamento é muito alto, assim como os remédios usados pelo casal idoso. Através de uma igreja local, a Portas Abertas tem ajudado esse casal a enfrentar seus desafios.

Assim como eles, muitos outros cristãos iraquianos estão enfrentando tempos difíceis, desde que milícias islâmicas decidiram exterminar os cristãos iraquianos. Lembre-se de orar por esses irmãos.

Fonte: Portas Abertas