VaticanoLíderes católicos advertiram o Vaticano nesta quinta-feira de que a Santa Sé está indo longe demais em sua oposição à proposta de lei para reconhecer os direitos de uniões estáveis e casais gays, e disseram que a Igreja deve deixar os parlamentares decidirem com liberdade.

Uma pesquisa do jornal La Repubblica mostrou que o projeto conta com o apoio de 67 por cento dos católicos praticantes, embora apenas 35 por cento deles achem que ele também deva ser aplicado a casais homossexuais. No total, 80 por cento dos italianos disseram apoiar o projeto.

Desde que a proposta foi aprovada pelo governo de centro-esquerda de Romano Prodi na semana passada, o papa Bento 16 já se manifestou várias vezes contra qualquer lei que, segundo ele, enfraqueça a instituição do casamento.

Mas o cardeal mais importante da Itália, Camillo Ruini, foi além na segunda-feira ao anunciar que divulgaria uma ‘nota oficial’ para os católicos, pedindo a eles que defendam o casamento e sejam contra as uniões estáveis.

A declaração foi encarada como uma pressão direta sobre os parlamentares católicos para que votem contra o projeto, o que desagradou até aos católicos mais devotos, que temem que a abordagem pouco sutil possa sair pela culatra.

O ex-presidente Oscar Luigi Scalfaro, 88, que vai à missa todos os dias, disse que a Igreja não pode impor suas opiniões aos parlamentares católicos. ‘Se uma intervenção dessas acontecesse ela destruiria a liberdade e a dignidade dos parlamentares católicos’, disse ele ao jornal.

Fonte: Último Segundo