Líderes protestantes e católicos da Irlanda do Norte iniciam na terça-feira uma inédita divisão de poder no governo local, desenhado para colocar um ponto final a décadas de conflito sectário.

O clérigo protestante linha-dura Ian Paisley e Martin McGuinness, do partido majoritariamente católico Sinn Fein, antigos arqui-inimigos, serão empossados como líderes do governo da província britânica, que luta para consolidar a estabilidade política desde um acordo de paz em 1998.

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, e o da República da Irlanda, Bertie Ahenr, que guiaram o processo de paz na Irlanda do Norte na última década, assistirão à cerimônia de posse no imponente parlamento de Stormont, nos arredores de Belfast.

Blair, que planeja sair do cargo em breve, vê nessa divisão de poder entre a maioria protestante e a minoria católica uma das principais vitórias de seus dez anos no cargo, após a curta sobrevida de acordos anteriores.

A popularidade do premiê sofreu um duro golpe com a guerra no Iraque e escândalos políticos, o que só aumentou o emprenho de Blair para solucionar o conflito na Irlanda do Norte, que já matou mais de 3.600 pessoas.

A cerimônia de terça-feira tornou-se possível quando os principais grupos protestante e católico do país, o Partido de União Democrática (DUP, na sigla em inglês) e o Sinn Fein, respectivamente, chegaram a um acordo em 26 de maio, depois de anos de impasse.

Ian Paisley, que será primeiro-ministro, e Martin McGuinnes, seu vice, são parceiros inusitados.

Paisley, 80 anos, tem sido um ferrenho defensor da ligação da Irlanda do norte com a Grã-Bretanha. Enquanto McGuinness, um ex-membro do grupo guerrilheiro IRA (sigla em inglês para Exército Republicano Irlandês), e o Sinn Fein querem a província unida à República da Irlanda, no sul.

Até recentemente, Paisley se recusava a conversar com o Sinn Fein, por considerar o partido indistinguível do IRA, grupo que promoveu uma sangrenta campanha de 30 anos contra o domínio inglês e que foi responsável por quase metade das mortes durante o conflito sectário.

O novo governo será responsável pelas questões do dia-a-dia na Irlanda do Norte. Os partidos concordaram em dividir ministérios, com o DUP controlando as pastas de Finanças, Economia, Meio Ambiente e Cultura. Já o Sinn Fein estará à frente da Educação, Desenvolvimento Regional e Agricultura.

Fonte: Reuters