Estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que o retrato do brasileiro a respeito da religião se alterou em 60 anos. O catolicismo, que representava 95% da população brasileira em 1940, viu sua participação cair para 73,6% em 2000.

No período, os segmentos que mais ganharam representatividade foram os evangélicos e os sem religião. Impulsionados por segmentos pentecostais, os evangélicos subiram sua influência de 2,6% da população, em 1940, para 15,4%, em 2000.

Os fluxos de imigrantes europeus foi responsável pela disseminação do protestantismo no país. Eles aumentaram sua participação em todas as regiões do país no período, com destaque para as regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste.

Já os brasileiros que se declaravam sem religião aumentaram sua importância na população brasileira de 0,2% para 7,4% no período. As outras religiões passaram de 1,9% para 3,4% no período.

A pesquisa mostra que o Rio de Janeiro e Rondônia são os Estados menos católicos do país. Já a região Nordeste permaneceu nos últimos 60 anos o principal reduto do catolicismo no país.

Fonte: Folha Online