Na quarta-feira “Duas Caras” rendeu 42 pontos na prévia da audiência com uma cena que deixou os telespectadores parados diante da TV. Liderados por uma possuída Edivânia (Susana Ribeiro), uma multidão ameaça linchar o triângulo amoroso formado por Dália (Leona Cavalli), Heraldo (Alexandre Slaviero) e Bernardinho (Thiago Mendonça).

Inclusive Lucimar (Cristina Galvão), que dizia aceitar o trio, estava no grupo. “A cena foi muito forte, mostrou a outra cara do preconceito e da hipocrisia de determinadas pessoas, que pareciam que os estavam aceitando, mas não estavam”, analisa a atriz Leona Cavalli. “Era uma cena bem intensa e de emoção bem complicada”, completa Thiago.

Susana conta que foi sua cena mais forte em televisão. “Fiquei mexida, é um assunto superdelicado, isso de ficar entre a loucura e o fervor, mexer com uma menina grávida, usar palavras da Bíblia, é estranho. Você toca em coisas relevantes para muita gente”, analisa.

Muito impactante, a cena durou longos (para TV) seis minutos. “Achei muito exagerada, muito forte para o horário”, opina a dona-de-casa Helena Fonseca, 50 anos.

O pastor Marcos Pereira da Silva, da Assembléia de Deus dos Últimos Dias, não gostou de saber que a novela mostrou evangélicos agindo de forma tão violenta. “Nós não atacamos ninguém, atacamos o demônio, que é quem faz as pessoas praticarem o mal”, argumenta ele, que frisa que novela é ficção. “O que se passa ali é algo que vem da cabeça do autor, não é verdade. Nós não vemos TV e esse é um dos motivos: ela mostra coisas que não condizem com a realidade.”

A contadora Glauce Teles, 28 anos, também acredita que a imagem passada não foi favorável aos religiosos. “Não sei como é um culto evangélico. Mas, se fosse evangélica, ia ficar ofendida. Foi tão grande a agressão ao trio quanto à religião”, defende ela, que é espírita.

A aposentada Cenir Bianco, 78, católica, também viu insulto aos evangélicos e desrespeitou a religião: “Acho que transmitiu que eles são agressivos. Foi violento, eles quase mataram os dois”, diz.

Os atores tentam abrandar a questão religiosa. “Espero que os evangélicos não tenham se ofendido. Antes de ser evangélica, Edivânia é uma pessoa como todos nós, que tem defeitos. Existem outros evangélicos na novela que pregam justamente o contrário dela”, diz Susana.

“Religião é um assunto muito delicado de tratar”, pondera Thiago Mendonça. “Mas a Edivânia é uma personagem hipócrita, mal-amada. Acho que no fundo ela é bem pior do que todos”, aposta ele, que vai ver Bernardinho ter um refresco quando receber no restaurante o ator Francisco Cuoco, de quem é fã confesso.

Revolta com paus e pedras

A cena de Duas Caras começou calma quando Dália (Leona Cavalli) comentou com Heraldo (Alexandre Slavieiro) o quanto era feliz em morar na Portelinha. Ironicamente, uma pedra quebrou a janela da casa. Heraldo pensou que era brincadeira dos moleques da favela, saiu para ver o que era e se assustou com a multidão enfurecida armada com paus e pedras preparada para linchar o trio.

“Vou tirar o demônio do seu corpo e vai ser a pau e pedra”, gritou Edivânia que comandava os revoltosos.

Bernardinho e Ezequiel (Flavio Bauraqui) ainda tentaram acalmar os ânimos. “Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra!”, gritou o pastor. Nem assim Edivânia se intimidou e atirou uma pedra na cabeça de Dália. Sangrando, ela fogiu pelos fundos e acabou dando à luz no meio do mato.

Enquanto isso, Bernardinho, Heraldo e até Carlão (Lugui Palhares), que foram vistos aos beijos pela fanática religiosa, são espancados pela multidão. O salvador do trio foi Juvenal (Antonio Fagundes) que chegou dando tiros para o alto, dispersando os linchadores.

Fonte: Terra e O Verbo