O Centro Cristão para a Justiça, Paz e Ação Não-Violenta (Justapaz), programa da Igreja Menonita da Colômbia, denunciou o arrombamento, na madrugada de ontem, da sua sede, de onde foram furtados dois computadores contendo informações confidenciais de pessoas vítimas e testemunhas de violações aos direitos humanos.

A denúncia foi apresentada pela diretora da Justapaz, Jenny Neme. Testemunhas informaram que cedo depois do arrombamento da sede da organização menonita agentes da polícia prenderam temporariamente dois homens com uma CPU nas imediações do edifício.

A policia nada informou, contudo, se manteve os dois presos ou se foram liberados. Disseram que não encontram impressões digitais no local do arrombamento. Neme queixou-se que o Corpo Técnico de Investigação da Promotoria tenha demorado quase seis horas para chegar ao local.

A diretora da Justapaz advertiu que a violação do escritório aconteceu 12 dias depois do furto de um computador do Movimento de Reconciliação (Fellowship of Reconciliation).

Em janeiro passado também foi invadido o escritório da Assembléia Permanente da Sociedade Civil pela Paz, de onde foi furtado computador contendo informações sobre pessoas.

Neme disse que o atentado contra a sede da Justapaz “repete o padrão de violação que evidência um conhecimento preciso do escritório e procedimentos sofisticados para aceder a determinada informação”.

A diretora da Justapaz disse que essa organizaçÃo e a Igreja Menonita da Colômbia reafirmam o compromisso com a não-violência, a justiça e a paz, que entendem ser parte do seu chamado de viver e trabalhar pela visão de Deus refletida numa sociedade que resolve suas diferenças de modo não-violento.

Fonte: ALC