A Igreja Católica virou alvo de fortes ataques do presidente venezuelano, Hugo Chávez, que pediu para revisar os privilégios do Vaticano no país, tachando de “retrógrada” uma parte da entidade eclesiástica, depois que um cardeal criticou o rumo de seu governo.

Na quarta-feira, Chávez instou seu ministro das Relações Exteriores, Nicolás Maduro, a estudar o convênio entre a Venezuela, país de maioria católica, e a Santa Sé para assegurar que a Igreja de Roma não tem “privilégios” com relação a outras igrejas, o que violaria a Constituição, segundo o presidente.

“Vamos estudar qual é o convênio” assinado há décadas, anunciou Chávez, pedindo para verificar se este acordo “dá à Igreja católica um privilégio sobre outras igrejas” porque “a Venezuela é um Estado secular”.

A queda-de-braço verbal entre a Igreja e o chefe de Estado se intensificou pelas recentes declarações do cardeal venezuelano, Jorge Urosa Savino, atual arcebispo de Caracas, para quem o presidente “passa por cima da Constituição” e quer levar o país “pelo caminho do socialismo marxista, que é totalitário, e conduz a uma ditadura”.

Suas afirmações fizeram com que Chávez o qualificasse de “troglodita” e pró-golpista e o desafiasse a demonstrar, perante um tribunal, que seu governo viola a Carta Magna.

“Te chamei de troglodita e volto a te chamar de troglodita”, reiterou o presidente venezuelano na quarta-feira.

Depois, dirigindo-se também a um certo setor da Igreja, Chávez disparou: “caso não tenham entendido, são uns retrógrados (…) Deveria exortá-los a tirar a batina atrás da qual se escondem covardemente”.

Em um comunicado, a Conferência Episcopal venezuelana mostrou interesse em “virar a página” e “depor a atitude de confronto”, ao mesmo tempo em que pediu ao governo “um entendimento apesar das diferenças de ideias”.

Esta subida de tom entre a Igreja e o presidente venezuelano ocorre a dois meses e meio de importantes eleições legislativas, nas quais o governo quer manter a maioria na Assembleia Nacional (Parlamento unicameral).

Chávez, que se diz católico convicto e considera Jesus Cristo o “primeiro socialista” da História, defende uma Igreja encarnada no povo e assegurou, na quarta-feira, que não considera o Papa “nenhum embaixador de Cristo na Terra”.

“Se, em todo caso, tivesse Cristo um embaixador, não é outro senão o povo”, desconversou.

As declarações do presidente contra a Igreja católica venezuelana provocaram uma reação em cadeia e muitos ministros, deputados e representantes de outras instituições públicas saíram em defesa do chefe de Estado.

Para a presidente da Assembleia Nacional, Cilia Flores, os representantes da Igreja Católica venezuelana “têm tentado ussar a fé de tantos milhões de fiéis, manipulando-os com a mentira”.

“Na Venezuela temos uma Igreja arrastada que não está ao lado do povo, que se opõe à revolução social, que só quer semear medo e ódio na sociedade venezuelana falando de um falso comunismo”, declarou, por sua vez, o deputado Carlos Escarrá, antes que os representantes aprovassem um documento de repúdio às declarações do cardeal Urosa.

Para Baltasar Porras, arcebispo de Mérida (oeste) e um dos representantes da Conferência Episcopal Venezuelana, a Igreja Católica sofre, na Venezuela, uma campanha de “descrédito”.

“Não pode ser que declarem uma política de extermínio, de levar todo mundo pela frente em uma espécie de enxurrada na qual não restem senão ruínas para, a partir daí, edificar o projeto político que se quer com base na miséria e na incapacidade dos que ficarem vivos”, lamentou o arcebispo.

Fonte: AFP