A China reafirmou nesta quinta-feira o desejo de melhorar as relações com o Vaticano, abaladas desde 1951, um dia depois de o papa Bento XVI ter feito o primeiro comentário público sobre os Jogos Olímpicos de Pequim, que qualificou de “evento de grande valor para toda a Humanidade”.

“A China está disposta a melhorar as relações com o Vaticano e trabalhará neste sentido”, declarou o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Qi Gang.

Ao fim de uma apresentação da Orquestra Filarmônica da China em sua homenagem na quarta-feira no Vaticano, o Papa enviou “saudações a todos os habitantes da China, que se preparam para viver com os próximos Jogos Olímpicos um evento de grande valor para toda a Humanidade”.

O porta-voz da chancelaria chinesa lembrou que o país está disposto a prosseguir com o diálogo “com abse em princípios fundamentais”.

Antes de restabelecer relações diplomáticas, Pequim exige que o Vaticano rompa suas relações com Taiwan e que tenha a possibilidade de nomear o clero católico na China.

A primeira condição já foi aceita pelo Vaticano, mas a segunda é considerada inaceitável.

Fonte: AFP