A proposta de Michael Reiss (foto), diretor da Royal Society, prestigiada instituição científica britânica à qual um dia pertenceu Charles Darwin, de incluir o criacionismo nas aulas de ciências nas escolas britânicas foi fortemente criticada por colegas.

Em uma intervenção no Festival da Ciência, celebrado em Liverpool, o diretor de educação da Royal Society, Michael Reiss, defendeu ser contraproducente banir das aulas todas as teorias alternativas para a origem a vida e do universo, só porque não têm base científica.

Reiss, que, além de biólogo, é sacerdote da Igreja Anglicana, afirmou que com essa exclusão somente se consegue que muitas crianças, vindas de famílias religiosas, se distanciem da ciência.

Reiss explicou que ele mesmo havia explicado o evolucionismo nas aulas até que compreendeu que “simplesmente esmagar” os alunos com a teoria da evolução não funcionava, em alguns casos.

“Me contentaria, agora, simplesmente se as crianças vissem o evolucionismo como uma forma a mais de compreender o universo”, disse.

As palavras de Reiss tiveram uma resposta imediata por parte dos membros da comunidade científica.

“O criacionismo se baseia na fé e não tem nada a ver com a ciência, por isso não tem espaço nas aulas de ciência”, disse Lewis Wolpert, biólogo da University College, de Londres.

Por sua parte, John Fry, físico da Universidade de Liverpool, afirmou que as aulas de ciências “não são o lugar apropriado para discutir o criacionismo, que é uma teoria que se opõe a qualquer demonstração científica.”

De acordo com as diretrizes de educação fixadas pelo governo, o criacionismo não deve ser discutido em aulas de ciência, mas de religião.

Fonte: Estadão