Cristãos na Índia
Cristãos na Índia

No começo desta semana (11 de março), uma multidão hinduísta invadiu cinco igrejas em Tamil Nadu, estado do sul da Índia.

O grupo atacou cristãos enquanto estavam no culto. Mulheres foram despidas e agredidas. Os agressores, os quais estavam acompanhados de um policial do governo, segundo testemunhas, faziam parte da organização religiosa e cultural Hindu Munnani, formada para defender o hinduísmo na Índia.

O secretário do grupo Munnani, Thangam Venkatesh, liderou a multidão, que começou seus ataques no início da manhã.

“Por volta das nove horas, Venkatesh entrou no templo e agrediu verbalmente o pastor Ravi Jacob, usando linguagem extremamente vulgar, e então voltou-se à sua esposa, Persis”, compartilhou John Arul.

Segundo ele, os extremistas violentaram o pastor e a esposa. “Quando Persis implorou por ajuda, o policial e o líder do grupo lhe disse para se prostrar aos pés de Venkatesh e pedisse perdão”, lembra.

Arul compartilhou que o mesmo grupo se dirigiu a outras quarto igrejas cristãs na mesma cidade. Em uma das igrejas, Bethesda Worship Centre, a multidão despiu e atacou três mulheres.

Duas delas, Maariyammal (40) e Annal (51), sofreram violência sexual, e Bava Dhaarani (23) foi violentada fisicamente. Os agressores ameaçaram Jagatheesan, pastor da igreja Bethesda Worship Centre, dizendo: “Se você quer servir a Jesus Cristo, vá para Belém ou ao Vaticano. Adore-o lá. Por que você quer tornar a Índia impura?”.

James, um cristão de 19 anos e filho do pastor de outra igreja local, também ouviu ameaças do grupo nacionalista hindu. Ele compartilhou: “Os nacionalistas governam esta região. Nós, cristãos, somos indefesos”.

Cinco igrejas são atacadas por multidão hinduísta

Outro pastor, Sagi Sugathia, disse que a multidão, de pelo menos 25 pessoas, era muito violenta. Por causa dela, todas as atividades na igreja tiveram de ser interrompidas.

Mais tarde, no dia em que foram feitas denúncias à polícia nas estações das cidades de Koodal e Alanganallur, as autoridades se recusaram a registrar o caso.

A polícia de Koodal Pudur emitiu um boletim de ocorrência, o qual omitia a identidade de Venkatesh e de outros participantes do grupo. Agressores radicais usufruem cada vez mais de impunidade quando assediam minorias religiosas, como os cristãos.

O resultado disso é que o nível de medo e incerteza entre a maioria dos cristãos na Índia está aumentando.

Fonte: Missão Portas Abertas