O clérigo britânico gay Jeffrey John estaria cogitando processar a igreja anglicana por discriminação, pelo fato de ser gay.

O clérigo britânico gay Jeffrey John, se movesse uma ação judicial contra a Igreja Anglicana por discriminação sexual, provavelmente a perderia, segundo especialistas legais, graças a uma exceção prevista na Lei de Igualdade, permitindo que igrejas se recusem a contratar em função das crenças religiosas de seus fiéis.

Foi revelado no domingo que John, que em 2010 foi rejeitado para o cargo de bispo de Southwark, estaria cogitando processar a igreja por discriminação, pelo fato de ser gay.

“As igrejas não podem ser obrigadas a contratar pessoas quando um número significativo dos seguidores da religião faz objeções de base teológica”, disse Daniel Barnett, especialista em direito trabalhista no escritório Outer Temple. De acordo com ele, Jeffrey John teria dificuldade em comprovar seus argumentos.

Em 2003, a nomeação de John como bispo de Bedford gerou enorme polêmica na Igreja Anglicana e em outros setores da Comunhão Anglicana, da qual a igreja faz parte. Ele acabou por ser impedido de assumir a posição.

Muitos membros conservadores da Igreja Anglicana ainda se sentem incomodados com a ideia de um clérigo abertamente gay ocupando um cargo tão alto na igreja.

Não é a primeira vez que a questão da homossexualidade ameaça provocar uma ruptura na Comunhão Anglicana.

Em vários momentos as igrejas tradicionalistas no mundo em desenvolvimento assumiram posição contrária à de suas contrapartes inglesa e norte-americana. Logo, a igreja não teria dificuldade em comprovar que a nomeação de John para o cargo provocaria discórdia.

“Nesta situação, a lei não constitui uma maneira eficaz de obter transformações”, opinou Barnett.

“Não existe resposta fácil na batalha por direitos conflitantes. A orientação sexual de uma pessoa deve passar por cima das crenças religiosas de outra, ou vice-versa? A lei evita esta batalha, deixando-a a cargo do tribunal da opinião pública.”

Conservadores reagiram com consternação à notícia da aparente contratação por Jeffrey John de Alison Downie, especialista em direito trabalhista e discriminação, para defendê-lo na disputa pelo cargo de Southwark, que acabou sendo entregue a Christopher Chessun.

Mas os liberais vêem a luta de John como sendo uma disputa cada vez mais simbólica com a Igreja Anglicana. “Acho que este caso já transcendeu Jeffrey John. É uma questão de princípio”, comentou um observador.

Clérigos gays de escalão mais baixo, que têm esperanças de promoção, estarão acompanhando o caso com atenção.

Em uma questão distinta, uma pesquisa da Coalizão Anglicana LGB&T constatou que 95 igrejas anglicanas querem estudar a possibilidade de registrar-se para celebrar parcerias civis, se a Igreja Anglicana o permitir.

O cônego Giles Goddard, membro da Coalizão e presidente da Igreja Inclusiva, disse: “As 95 igrejas que identificamos são apenas a ponta do iceberg. Os anglicanos gays e lésbicas, além de seus amigos e familiares, estão perdendo a paciência com a Igreja Anglicana. A igreja precisa aprender a tornar-se inclusiva, abrindo os braços a todos.”

[b]Fonte: Folha.com[/b]