Contra “agentes públicos e privados que ignoram a ética e abram mão dos princípios morais”, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) divulgou na quinta-feira (4) “O Grave Momento Nacional”.

[img align=left width=300]http://noticiascatolicas.com.br/wp-content/uploads/2017/05/ass-55-400×255.jpg[/img]Trata-se de um texto em que a principal entidade católica do país ataca “a relação promíscua entre interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos de corrupção”.

“É preciso construir uma democracia verdadeiramente participativa. Dessa forma se poderá superar o fisiologismo político que leva a barganhas sem escrúpulos.”

O documento foi lido por dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, no último dos dez dias da 55ª Assembleia-Geral da entidade.

Nele não há citações à Operação Lava Jato, mas críticas ao quadro político nacional encharcam o conteúdo.

Em nota anterior, os bispos já haviam alvejado a reforma previdenciária proposta por Michel Temer. “Os direitos sociais do Brasil foram conquistados com intensa participação democrática; qualquer ameaça a eles merece imediato repúdio”, dizia o texto.

A nova nota oficial pede uma “profunda reforma do sistema político” e pede cautela com “salvadores da pátria”.

“Com o exercício desfigurado e desacreditado da política, vem a tentação de ignorar os políticos e os governantes, permitindo-lhes decidir os destinos do Brasil a seu bel prazer. Desconsiderar os partidos e desinteressar-se da política favorece a ascensão de salvadores da pátria.”

A “economia globalizada” é descrita como “um verdadeiro suplício para a maioria da população brasileira”, por dar “primazia ao mercado em detrimento da pessoa humana e ao capital em detrimento ao trabalho, quanto deveria ser o contrário”.

O Estado, segundo o texto, não deve se submeter ao mercado.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]