A Igreja Católica brasileira criticou duramente nesta sexta-feira as campanhas do governo de distribuição de preservativos a fim de prevenir doenças sexualmente transmissíveis durante o Carnaval e em escolas públicas do país.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançará no domingo uma campanha de entrega de 10 milhões de preservativos durante as festas de Carnaval.

Outros 25 milhões de preservativos foram distribuídos em janeiro pelo Ministério da Saúde como parte do programa oficial de prevenção à Aids, disse à Reuters um porta-voz do programa.

“Se pensa que isso vai ajudar? Não acredito”, disse a jornalistas na sexta-feira o cardeal Geraldo Majella, presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Esta campanha de distribuição gratuita de camisinhas se soma a uma recente iniciativa oficial para ampliar o programa que, desde o início da década, permite a entrega de camisinhas em alguns colégios do ensino médio.

“Acredito que está claro que a educação deve cuidar da educação e não de um desvio do próprio comportamento … É necessário que regras sejam estabelecidas. Agora, se esta é a educação que querem fazer da sexualidade … isto nós certamente não podemos concordar”, acrescentou.

O Brasil, que tem 187 milhões de habitantes, possui a maior população católica do mundo. O país será visitado em maio pelo papa Bento 16.

Fonte: Reuters