A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) saiu em defesa do papa Bento 16 e divulgou notas anteontem (da presidência da entidade) e ontem (do Celam, Conselho Episcopal Latino-Americano, presidido pelo arcebispo de Aparecida).

As entidades repudiam a suspeita de que o papa tenha sido conivente com abusos de padres a menores e criticaram a imprensa pela forma como trata o assunto. “Alguns meios de comunicação têm procurado atingir indiretamente o Santo Padre”, diz o texto feito pelo Celam.

A CNBB diz lamentar o que entende como uma campanha difamatória contra o papa e contra a Igreja Católica. “A imprensa tem noticiado com insistência incomum casos acontecidos nos Estados Unidos, na Alemanha, na Irlanda e também no Brasil”, afirma a entidade.

Segundo o Celam, “a atitude do então cardeal Ratzinger em relação a casos de abusos sexuais praticados por alguns membros do clero sempre foi muito firme”. “É falsa e caluniosa qualquer insinuação que se venha a fazer de que o atual pontífice tenha ocultado casos de abusos sexuais ou sido condescendente com seus autores”.

A CNBB também manifestou apoio ao papa em cadeia nacional nas televisões católicas.

Fonte: Folha de São Paulo