O MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral), órgão que reúne 35 entidades, como CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), iniciou ontem a coleta nacional de 1,2 milhão de assinaturas para propor ao Congresso um projeto de lei que impeça a candidatura de pessoas com antecedentes criminais graves ou que já tenham renunciado ao mandato.

A apresentação do projeto foi feita durante a 46ª Assembléia Geral da CNBB, em Indaiatuba (SP). Pela proposta, ficam proibidos de se candidatar quem tenha sido condenado por crimes considerados graves ou quem tenha denúncia contra si feita pelo Ministério Público e acatada pela Justiça.

Quem responder processo ou tenha sido condenado pelos crimes de racismo, tortura, utilização de mão-de-obra em condições análogas à escravidão ou improbidade administrativa, dentre outros, também não poderá concorrer.

Fonte: Folha de São Paulo