“Como pode ser um santo se não protegeu as crianças inocentes?”, questionou a colunista Maureen Dowd.

A colunista Maureen Dowd, do jornal norte-americano The New York Times, afirmou hoje ser contrária à beatificação do papa João Paulo II.

“Como pode ser um santo se não protegeu as crianças inocentes?”, questionou ela, em um texto publicado hoje pelo diário.

Dowd já se reuniu uma vez com João Paulo II, no Vaticano, e reconheceu o carisma e o papel dele na defesa da democracia.

Mas, segundo a colunista, “tanto era progressista sobre aqueles argumentos [democráticos], quanto era pesadamente retrógrado sobre os temas sociais”.

Para Dowd, o Pontífice, que ficou à frente da Igreja Católica entre 1978 e 2005, não tomou decisões para evitar possíveis crimes de pedofilia.

“Sem dúvida alguma, João Paulo II renunciou ao seu direito à beatificação quando não foi capaz de estabelecer um standard legal para afastar os pedófilos do sacerdócio”, disse a jornalista.

A colunista ainda afirmou temer que o Vaticano torne-se Wall Street, “onde as sociedades dão aos administradores paraquedas dourados para compensá-los pelo estresse causado pelos ataques. A diferença é que o Vaticano oferece auréolas douradas”.

A cerimônia de beatificação de João Paulo II está agendada para o próximo domingo, dia 1. Quem presidirá o ato será o papa Bento XVI.

A beatificação, que vai torna-lo beato, é a primeira fase para a canonização, quando é concedido o título de santo.

[b]Fonte: Ansa[/b]