Ainda não sei como vai ser o título em português de “A Mighty Heart”, mas seja ele qual for sugiro que você não o perca de jeito nenhum. Baseado em fatos verídicos, conta a historia de Daniel Pearl, jornalista americano barbaramente assassinado no Paquistão em 2002 por extremistas islâmicos.

O filme se desenvolve através dos olhos de sua esposa, Mariane, que passou por todo o suplício do desaparecimento e morte de seu marido, grávida de seis meses.

Angelina Jolie personifica Mariane com brilhantismo e paixão, colocando os espectadores dentro da ação e passando com precisão e veracidade todos os turbilhões emocionais aos quais os personagens verdadeiros foram submetidos.

Angelina Jolie é uma atriz bastante polêmica em sua vida pessoal, mas que goza de grande credibilidade junto à crítica especializada e ao meio cinematográfico em geral. Já possui diversos prêmios, entre eles um Oscar de melhor atriz coadjuvante por “Garota Interrompida”, e já levanta comentários que poderá levar mais um por sua atuação em “A Mighty Heart”.

Acompanho a terrível saga de Daniel Pearl desde 2002 e já assisti a diversos documentários e entrevistas com Mariane Pearl; assim posso dizer com propriedade que Angelina Jolie fez um trabalho soberbo de pesquisa e que conseguiu captar toda a grandeza da personagem principal, combinando sutileza e emoção de uma forma notável. Angelina tem neste filme cenas memoráveis e talvez o choro mais doído da história do cinema.

Mas, o filme não se resume à atuação de Angelina Jolie. O diretor inglês Michael Winterbottom, compôs uma obra sólida e competente, combinando todos os elementos da trama para formar uma narrativa tensa, angustiante e verossímil. A tensão constante vai se desenrolando em um crescendo que desemboca no citado e sofrido choro da atriz principal. O mesmo choro, inclusive, usado na cena do nascimento do filho do casal de jornalistas, simbolizando o ciclo da vida. Brilhante!

Os atores coadjuvantes, pouco conhecidos em sua maioria, também acrescentam credibilidade ao filme, com atuações perfeitas e desprovidas de vaidade. Como é bom ver um filme onde não se tem aqueles galãs e “patricinhas” sem talento, que são escalados só pra gerar mais audiência. Ah, como seria bom se a rede Globo fizesse a mesma coisa nas suas minisséries…

Se puder, não deixe de ver “A Mighty Heart”, um filme que vai muito além do drama pessoal de Daniel e Mariane Pearl, revelando também os absurdos da guerra, da intolerância e do extremismo religioso.

Um abraço,

Leon Neto