“A cada dia multiplica a iniquidade,
sinceramente isso me deixa pensativo
se Deus tivesse feito homem pra casar com outro
não seria Adão e Eva, tinha feito Adão e Ivo”

Assim diz o refrão da canção “Adão e Ivo”, que muito sucesso tem feito na internet. Tanto que causou forte reação em grupos de defesa dos direitos dos gays e lésbicas e até mesmo gerou uma representação junto ao ministério publico e à OAB . O detalhe é que o tal processo foi apresentado por um pastor, Marcos Gladstone, da Igreja Cristã Contemporânea, que, aparentemente, apoia a união de pessoas do mesmo sexo.

O autor da canção é o obscuro Toinho de Aripibú, mas quem tornou a “obra-prima” mais conhecida foi o cantor Emanuel de Albertin, não menos obscuro, que participou recentemente de um showmício do pré-candidato ao governo do Rio, Anthony Garotinho. Mas de fato, foi graças ao Youtube que “Adão e Ivo” ganhou notoriedade e já foi até mesmo parodiada por programas humorísticos televisivos.

A canção, como há que se imaginar, não é nenhuma “pérola do cancioneiro evangélico”; não passa de um forrozinho popularesco, de rimas pobres e métrica ruim. A teologia também não é lá muito profunda e não vai além do óbvio ululante.

O que me incomodou mesmo não foi tanto a letra em si, mas o tom sarcástico e zombeteiro da gravação, que usa frases de efeito e chavões tipo “seja homem, rapaz!” para conectar os versos. Parece mesmo uma canção de Genival Lacerda nos seus tempos de “De quem é esse Jegue?”. Não ficou claro para mim a intenção do intérprete e do autor da canção. Estariam eles querendo professar uma verdade Bíblica ou apenas zombar dos homossexuais?

Esse negócio de ficar fazendo piada com assuntos sérios e polêmicos sempre acaba mal. Assim como aquelas anedotas racistas ou de loira burra, por mais que pareçam inocentes e despretensiosas, sempre inoculam algum veneno. E quem conta ou ri de coisas desse tipo está contribuindo e aprovando a intolerância e o preconceito.

Nós que somos Cristãos deveríamos ser os primeiros a rejeitar esse tipo de coisa, ainda mais nesse momento em que a sociedade brasileira está tão polarizada e arisca por conta das recentes discussões sobre a lei da homofobia e o casamento gay. Nossa posição deveria ser firme, sim, porquê afinal a Biblia é firme e clara sobre o assunto, mas nunca com desrespeito e zombaria.

Vocês conseguem imaginar Jesus fazendo algo semelhante? Jesus condenou o pecado de forma veemente, mas o fez com manifestações de amor e misericórdia estendendo sua graça para prostitutas, ladrões e políticos corruptos. Por quê deveria ser então diferente com os homossexuais?

Canções como “Adão e Ivo” não ajudam em nada esse momento histórico e somente atrapalham, criando mais barreiras e gerando reações ainda mais negativas.

Toinho de Aripibú e Emanuel de Albertin deveriam tomar algumas aulas com João Alexandre, compositor da tocante “Esquinas Cruéis”, que ao invés de apedrejar e zombar de prostitutas, apresenta o amor de Deus de forma sensível e lírica dizendo:

“Você tem um preço mais alto, e Deus lá no alto
Um dia já pagou
Desceu de sua glória, morreu numa cruz
Pra levar de uma vez suas lágrimas
O Amor mais sincero, a paz sem limites
E em meio às tristezas promessas fiéis
É Cristo em sua vida quebrando os cordéis
Pra te dar vida livre de esquinas cruéis
Vem arrependida viver a seus pés.”

E é sobre o amor de Deus que deveríamos estar cantando e compondo, pois só assim conseguiremos levar a graça transformadora de Deus para aqueles que mais precisam.

Um abraço,

Leon Neto

Notícia relacionada: [url=http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=13603]Música evangélica motiva processo de pastor homossexual[/url]