Sábado passado, tive o privilégio de participar da cerimônia de formatura da Liberty University, onde tivemos como preletor, ninguém menos do que o ator Chuck Norris, pioneiro dos filmes de karatê no cinema americano.

Certamente não se trata de nenhuma figura proeminente no meio acadêmico e todos ficaram bastante surpresos quando foi anunciado seu nome como orador oficial da cerimônia.

Chuck ficou conhecido mundialmente após protagonizar com o legendário Bruce Lee, na década de 70, uma memorável luta coreografada no Coliseu de Roma, para o filme “Operação Dragão”. Na época, o ator já havia conquistado diversos títulos mundiais como karatéca e fundado com sucesso diversas escolas do esporte pelos Estados Unidos.

Mesmo sem nunca ter alcançado a mesma notoriedade de Bruce Lee, de quem se tornou amigo, Chuck Norris conseguiu emplacar alguns sucessos em filmes do mesmo gênero, abrindo caminho posteriormente para atores como Silvester Stallone, Steven Segall, Charlie Chan e Jet Li.

Certamente que Chuck Norris nunca recebeu grande reconhecimento por suas qualidades dramáticas e foi até mesmo ridicularizado por muitos críticos e programas humorísticos, mas ele conseguiu manter ativa sua carreira por mais de 30 anos e ainda hoje pode ser visto em reprises de seus filmes e da série televisiva “Walker, Texas Ranger”.

Da mesma forma, muitas pessoas torceram o nariz quando seu nome foi anunciado na cerimônia de formatura e visivelmente não estavam muito satisfeitas em vê-lo em posição tão prestigiada no meio acadêmico. Mas seu discurso foi bastante sincero e até mesmo tocante.

O ator de 68 anos e em grande forma, deixou de lado as anotações e resolveu falar de improviso, dando seu testemunho de forma aberta e despojada. Contou de sua infância pobre no estado de Oklahoma, da influência e do exemplo de sua mãe, uma cristã fervorosa, dos seus títulos mundiais no karatê, de suas desilusões e conquistas na indústria do show business.

E principalmente derramou seu coração ao falar de como se deixou envolver pela fama e pelo sucesso e de como se afastou de Deus, o que acabou por destruir seu primeiro casamento; e também como teve sua vida restaurada e reconectada com Deus, através de sua atual esposa que o levou de volta ao evangelho. Mesmo os mais conservadores e puristas não puderam deixar de se emocionar com sua narrativa extremamente simples, mas autêntica. Mesmo sem currículo acadêmico, Chuck Norris se mostrou um grande exemplo para os alunos, ao deixar claro que nem fama, dinheiro ou sucesso podem substituir a presença de Deus em nossas vidas.

Hoje, Chuck e sua esposa estão à frente de uma fundação que trabalha com jovens e adolescentes dos bairros pobres de Los Angeles. O objetivo do projeto é, através do esporte, tirar adolescentes das gangues de rua e colocá-los de volta nas escolas. Chuck já recebeu diversas citações e teve reconhecimento público pela sua atuação à frente desse projeto humanitário.

Raro em Hollywood é ver uma vida como a de Chuck Norris, que transcende em muito o passageiro e enganoso sucesso, que bate a porta de muitos, intoxica e destrói. É muito difícil encotrar alguém nesse meio que entenda que sucesso, aos olhos de Deus, não está ligado a conquistas pessoais, fama ou dinheiro; à luz da Bíblia, felizes são aqueles que tem seu prazer na lei do Senhor e nela meditam dia e noite. Pois estes, tudo o que fizerem prosperará.

Um abraço,

Leon Neto