Peço perdão pela ausência da coluna nas últimas semanas, mas estive em algumas viagens e terminando alguns projetos e não tive chance de escrever muita coisa. Mas, volto agora para comentar a mais nova produção da indústria cinematográfica Cristã, o filme “Corageous”.

“Corageous” é a quarta produção em grande escala do ministério da Igreja Batista Sherwood, que fica na cidade de Albany, no estado da Geórgia. A Sherwood Pictures começou com uma produção modesta em 2003 (“Flywheel”), e depois engatilhou “Desafiando Gigantes” em 2006 e “Prova de Fogo” em 2008. Estas duas ultimas produções marcaram época por saírem do circuito estritamente evangélico e serem lançados também em salas de cinema do circuito secular. “Desafiando Gigantes” e “Prova de Fogo” tiveram grande aceitação popular, especialmente no segmento evangélico, tanto aqui como no Brasil, mas receberam também uma enxurrada de criticas do jornalismo secular.

Agora, a Sherwood produções lança no mercado o filme “Corageous”. Fiquei gratamente surpreso com o filme. Apesar de apoiar incondicionalmente as iniciativas da Sherwood Pictures, não dava pra deixar de notar nos primeiros filmes ainda uma certa dose de amadorismo e experimentalismo. A mensagem das primeiras produções é muito edificante e profunda, mas do ponto de vista cinematográfico os filmes deixavam ainda muito a desejar. E realmente foi muita coragem entrar de cabeça no mercado secular e confrontar a mídia liberal e incrédula sem medo de levar criticas pela frente. Estive recentemente em uma palestra de um dos produtores da Sherwood aqui na Liberty, o Pr. David Smith e fiquei muito impressionado com a determinação e senso de propósito que eles têm. É um ministério fantástico e que merece todo o apoio do povo evangélico.

“Corageous” consegue dar um grande salto de qualidade técnica em relação aos primeiros filmes da Sherwood. Apesar de usar vários dos atores dos filmes anteriores, o nível de interpretação teve uma melhora visível; as atuações são mais naturais e autênticas sem aquele jeitão de esquete de social de igreja. O ator hispano Robert Amaya faz um bom trabalho ao introduzir um elemento de humor, criando um necessário contraponto para as intermináveis cenas dramáticas.

As cenas de ação são muito bem concatenadas e não deixam muito a desejar para as produções do gênero. Claro que não dá ainda para comparar com superproduções de primeira linha, mas definitivamente não faz vergonha de jeito nenhum. Lembro-me da palestra do Pr. David Smith, quando ele comentou que algumas das cenas de tiroteio que foram filmadas em locações em vizinhanças barra-pesada de Atlanta, e foram tão reais que algumas gangues quase pensaram que se tratavam mesmo de perseguições policiais e por pouco a filmagem não terminou em tragédia.

O filme é centrado na vida de policiais americanos e os conflitos éticos e pessoais que tem que enfrentar diariamente. O roteiro ainda peca por exagerar nas cenas dramáticas e forçar um pouco a barra ao querer fazer todo mundo chorar o tempo todo. Algumas cenas, bastante trágicas, são longas demais e nos massacram emocionalmente. Eu, por exemplo, não tenho a menor vontade de assistir ao filme de novo, apesar de ter gostado do que vi. Mas, vejo em “Corageous” um salto qualitativo considerável. E a mensagem central, o mais importante de tudo, continua fiel aos valores cristãos, promovendo o compromisso de um relacionamento pessoal com Cristo, e um estilo de vida que condiz com a palavra de Deus. Isso por si só já justifica tudo, mas foi muito gratificante ver que tecnicamente as produções cristãs estão evoluindo bastante.

Um abraço,

Leon Neto