A anti-prece dos homens públicos que têm preço

Financiador nosso que estás na terra

Santificado seja o teu negócio

Venha a nós o teu dinheiro

Seja feita a tua vontade

Assim no público como no privado

A propina nossa de cada dia nos dai hoje

Perdoai nossos desfalques

Assim como nós perdoamos os que malversaram antes de nós

E não nos deixeis cair na tentação da honestidade

Mas livrai-nos do flagrante e da verdade,

Amém.

(Chico Alencar, Deputado Federal, lido por ele no “Papo de Graça”.)

Esta semana o Brasil inteiro se estarreceu com uma quantidade enorme de vídeos que mostravam parlamentares da Câmara Distrital do DF recebendo Propina das mãos do Durval. O mais chocante de todos os vídeos, do ponto de vista político, sem dúvida alguma foi o vídeo do Governador recebendo também…; e, mais que isto: coordenando as distribuições, sem falar que a maior parte era para ele mesmo, segundo se apurou até agora.

De fato, o que parece estar acontecendo no Governo do Distrito Federal é que quase todos venderam a alma ao diabo nesta administração, mas não pagaram o combinado…

Então o diabo veio cobrar mais cedo do que o costumeiro…

Era muito demônio reclamando que o Governador combinara e não pagara…

Quem paga ao diabo ele deixa engordar para comer cevado, depois… Mas quem combina e não paga, ele cobra bem antes da hora…

Ou seja:

O Arruda caiu porque combinou com o deus deste mundo e seus asseclas na política e nos negócios, e não pagou; e pior: esqueceu os acertos e pisou nos rabos dos demônios; sempre querendo mais… Então […] uma legião de demônios políticos e empresariais decidiram demandar o acerto de antes… Como o Governador não cedeu, antes cobrou mais do próprio diabo e seus demônios locais, o inferno inteiro e seus covis no DF se levantaram contra ele…

Entretanto, em meio a tantas imagens tristes e chocantes, houve um vídeo que em especial causou muita indignação.

Trata-se de um vídeo que mostrava o Dep. Distrital Junior Brunelli, evangélico e filho do Missionário Doriel de Oliveira, fundador da Casa da Benção, com sede em Brasília — orando juntamente com outro Dep. Distrital, Leonardo Prudente, também evangélico, membro da Igreja Rodovalho Sara a Nossa Terra; ambos em companhia do Durval, que é a figura “Robertojefersoniana” das gravações e denuncias do Quinzenalão do DF [segundo o Durval o Arruda queria receber de 15 em 15 dias]; e tanto o Brunelli quanto o Prudente estavam pedindo a Deus que os salvasse dos inimigos e socorresse o Durval.

O texto da oração é o seguinte:

“Sabemos que somos falhos, somos imperfeitos. Mas o teu sangue nos purifica…

Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para nossa cidade… Queremos uma cidade nova… Um novo tempo…

Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para essa cidade, porque o Senhor contempla a questão no seu coração.

Tantas são as investidas, Senhor, de homens malignos contra a vida dele.

Nós precisamos da Tua cobertura e dessa Tua graça, da Tua sabedoria, de pessoas que tenham armas para nos ajudar nesta guerra.

Todas as armas podem ser falhas, todos os planejamentos podem falhar, todas nossas atividades, mas o Senhor nunca falha.

O Senhor tem pessoas para condicionar e levar o coração para onde o Senhor quer.

A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.

Nós precisamos de livramento na vida do Durval, dos seus filhos, familiares.”

Ora, aqui no “Papo de Graça” da Vem e Vê TV manifestei-me com intensa veemência e repúdio à “Oração da Propina”. Quem viu percebeu a intensidade de minha indignação.

Hoje, no entanto, fui visitado pelo Dep. Brunelli e um outro irmão na fé a quem quero muito bem, e ambos me trouxeram as transcrições oficiais da Polícia Federal, solicitadas pelo Brunelli, nas quais se diz que o recebimento dos cinco mil reais que aparecem no vídeo aconteceu em dezembro de 2006 e a oração pelo Durval, não só aconteceu em outro lugar da cidade, mas três anos depois […]; agora, há apenas dois meses. E mais: no texto dos documentos da PF sobre o vídeo da oração se diz que o assunto foi corriqueiro e de somenos importância.

Segundo o Brunelli, ele e o Prudente teriam ido conversar com o Durval sobre uma votação que aconteceria na Câmara Distrital do DF; visto que o Durval teria influencia sobre um ou dois deputados a ele ligados; um deles seu irmão.

Brunelli diz que foram solicitar que o Durval pedisse que os dois votassem em favor do tema por eles proposto e que dependia de mais dois votos.

Brunelli diz que após a conversa o Durval [que teria sido membro de uma Assembléia de Deus; ou ainda é…; não sei…] abriu o coração e contou que diante de todas as acusações/sentenças que já pairavam sobre ele, com algumas ordens de busca em sua casa, a mulher, por quem ele se declara apaixonado, o deixara […], saindo de casa com os filhos naqueles dias, o que o estaria deixando mais angustiado do que com as próprias ameaças que envolviam seu nome em irregularidades e crimes contra o bem público…

Além disso, segundo Brunelli, na oração ele pediu pela família do Durval e pela situação de angustia dele; e também fazia menção às perseguições que ele, Brunelli, teria sofrido do Gov. Arruda nos últimos três anos…

Sobre os cinco mil reais que aparecem na fita, segundo ele foi algo que aconteceu antes de sua eleição; e teria sido uma ajuda para a campanha; a qual, também segundo ele, pode ser e será comprovada como doação legal.

Falei-lhe que mesmo fora do contexto da Propina, em si mesma a oração era uma prece do Cristianismo e da Religião, mas não segundo Jesus e o Evangelho, especialmente no que tangia ao espírito de vingança que aparecia na oração, sem falar que o Durval, como personagem, foi uma calamidade para a cidade, e não uma benção. E falei muitas outras coisas a ele, com toda verdade e sinceridade no Senhor. Sim, coisas sérias e pesadas a respeito de quem se atreve a entrar para a política se dizendo um cristão.

Ontem à tarde um amigo muito bem informado nesta cidade já me havia contado a história do divorcio do Durval, e chegou mesmo a atribuir os derramar da coisa toda ao estado de angustia no qual o Durval teria ficado em razão da perda da mulher e dos filhos; fato que o teria levado a uma espécie de delação remissiva, mais do que premiada; posto que o Durval estivesse com isto também tentando provar à mulher que ele preferia perder tudo […], mas não perder a família. Nesse caso perder tudo seria perder todo o roubo…

Se esse o caso o Durval é o corrupto mais apaixonado do Distrito Federal e quem sabe do Brasil…

Não que isso seja impossível… Afinal, a História Humana, em escala Universal, está cheia de exemplos do que uma paixão pode fazer na cabeça de um homem… Rsrsrs.

Marco Antonio que nos diga como a vida dele mudou em razão de sua paixão por Cleópatra. Na Bíblia Sansão seria o melhor exemplo, seguido de Herodes no caso de João Batista.

Ora, voltando ao assunto do Brunelli ter recebido o dinheiro três anos antes da oração, agora, com a informação, fica simples verificar em ambos os vídeos. Afinal, são de fato dois os vídeos que vimos como um…

Pessoalmente creio que se houve esse amor toda na decisão atribuída ao Durval, só houve porque já não havia mais apelação em relação aos seus crimes!…

Sobre o fato de que neste caso dos dois vídeos relativos ao Brunelli houve montagem, é possível perceber nos links que seguem.

Veja:

Recebimento de dinheiro: Brunelli aparece com outra roupa e em outro lugar; além de estar desacompanhado…

A Oração: Brunelli aparece com outra roupa e em outro lugar.

http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL1397543-5601,00-IMAGENS+DO+SUPOSTO+ESQUEMA+DE+MESADA+
A+DEPUTADOS+TEM+ATE+ORACAO.html

Digo isto a fim de corrigir uma injustiça e denunciar uma manipulação de “edição da mídia”…

A injustiça é minha; posto que talvez ninguém tenha batido mais no assunto e com tanta intensidade e veemência quanto eu fiz esta semana… Com isto reparo a injustiça relacionada a não ter visto que eram dois vídeos ao invés de um. Porém, não faço aqui defesa do Brunelli, cuja vida e pratica política eu não conheço. Portanto, esta é uma reparação tópica; e nada mais. Além disso, se ele diz a verdade apenas sobre este tópico, mas suas práticas de fato sejam outros no dia a dia, não sei; sei, porém, que o que ele disse na oração que fez pelo Durval é verdade; ou seja: A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.

Sendo assim, se ele está inocente neste tópico, mas não no todo, digo a ele, a mim e a todos: A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.

Até aqui não há nenhuma acusação criminal contra ele, sendo o processo todo por enquanto ligado ao julgamento público que a fusão dos dois vídeos em um só gerou na população…

Quanto aos cinco mil para a campanha cabe a ele demonstrar que foi como diz e que o dinheiro foi declarado oficialmente.

A denuncia é sobre mais uma “edição” da mídia; e não de uma emissora de televisão apenas, mas de todas… Afinal, a primeira vez que vi as imagens foi na TV Record, e somente depois na Globo e na Band.

Amanhã pela manhã farei um “Papo de Graça” especial sobre este assunto e sobre outros ligados à mesma história.

O “Papo de Graça” começará às 9 horas da manhã, como sempre…

O Senhor abomina o engano e a manipulação…

O Senhor odeia a injustiça…

E eu não quero ser injusto em nada e nem com ninguém…

Sim, nem mesmo de modo tópico eu desejo ser injusto…

Entretanto, eu creio que o Senhor haverá de dizer um Basta a tudo e todos que brinquem com o Seu Nome.

Sempre deixei claro, no entanto, que não dizia nada sem amor pelo Brunelli e sua família [por quem orei em particular e publicamente várias vezes esta semana], mas sim em razão do que ele fizera […], que, sendo como parecia ser […] era em si uma abominação… E sempre o será sempre que for assim!

Seja Deus verdadeiro e eu mentiroso, mas que injustiças não saiam de minha boca contra ninguém.

Mas que o Brunelli e todos os demais saibam:

A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.

Se ele andar como declara andar, será inocentado de todo, mas se não andar, de Deus não se zomba, pois, como ele disse, e eu aqui repito pela terceira vez, A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.

Nele, em Quem tudo podemos na Verdade e nada contra a Verdade,

Caio