Semana passada, durante a badalada premiação da MTV americana, o “Video Music Awards” (VMA), uma “boys band”, chamou quase mais atenção do que o retorno da doidivanas Britney Spears: trata-se do grupo “Jonas Brothers”, formado por três irmãos.

A banda não é nada demais musicalmente, bem parecida com outros sub-produtos do gênero, mas que vêm fazendo muito sucesso junto ao público adolescente feminino. Aliás, não precisa muita coisa para isso; basta colocar uns rapazinhos bem apanhados, investir alguns milhões de dólares para produzir vídeos e Cd’s e colocar na mídia, que a meninada toda vai comprar feito pipoca.

O detalhe em relação à citada banda, é que os três rapazotes vem de uma família bastante religiosa e professam sua fé cristã abertamente, inclusive anunciando um pacto que fizeram com Deus para se preservarem virgens até o casamento. Eles até usam um tal “anel de pureza” para afirmar publicamente o compromisso.

Não é necessário dizer que os três viraram motivo de chacota no promíscuo ambiente do “show business” americano. Durante a premiação do VMA, inclusive, vários apresentadores fizeram piadas sobre a virgindade deles.

De fato soa até mesmo surreal nesse nosso mundo secularizado e hedonista, adolescentes não se entregarem aos prazeres e excessos da fama e expressarem valores morais sólidos. No fundo no fundo, o que o povo quer mesmo, é ver o “circo pegar fogo”. Virgindade e sobriedade não vendem revista e não dão audiência. O que todos querem ver é mais gente despreparada e aloprada feito Britney Spears e Lyndsay Lohan entrando pelo cano.

De fato, vivemos um momento de inversão moral onde o certo virou errado e o errado virou padrão, norma à ser seguida; fico irritado em como posar para a “Playboy”, por exemplo, virou algo absolutamente aceitável. O esquisito, incomum é aparecer alguém que não se venda por algumas centenas de milhares de reais. Aliás, até mesmo filme pornô está entrando nessa linha e se tornando apenas mais um “trabalho” para atores e atrizes . Onde vamos parar?

Para contrastar com a postura pouco usual dos Jonas Brothers, saiu na mídia semana passada, o caso de uma americana de 22 anos que estaria oferecendo sua virgindade na internet para quem se dignasse a pagar um milhão de dólares. Segundo ela, o dinheiro seria para custear seus estudos (que atitude nobre….), e na área de terapia familiar! Certamente seria um ótimo exemplo…

Mas, por mais esdrúxulo e chocante que tudo isso possa parecer, não é novidade nenhuma na história da humanidade. A igreja do primeiro século também teve que se confrontar com um contexto sócio-cultural onde orgias, paganismo e bizarrices eram bastante presentes. À Igreja de Roma, Paulo recomendou “não vos conformeis com esse mundo “ (Rm 12:2), algo bem difícil de fazer no nosso contexto também, mas que é o único caminho para que quer seguir os passos de Cristo.

A questão da virgindade dos Jonas Brothers vai muito além do compromisso em si, ao mostrar que é possível a jovens e adolescentes levantarem a bandeira do evangelho e não se sujeitarem aos ditames de uma sociedade imoral e promíscua, que apenas quer extrair o sumo de nosso jovens e jogar o bagaço no lixo. A postura dos Jonas Brothers é um alento em meio a uma geração vazia e idiotizada. Eu quase chego a suportar a irritante musiquinha que eles fazem, por causa disso.

Um abraço,

Leon Neto