A corrida presidencial desse ano nos Estados Unidos promete ser bastante disputada. O que começou quase como que uma barbada para a reeleição do atual presidente, Barack Obama, cada vez mais toma os contornos de uma acirrada disputa, em vista da persistente crise econômica e de mirrados índices de recuperação no setor de empregos.

O concorrente de Obama ainda não foi oficialmente definido pelo partido republicano, mas todos já sabem que Mitt Romney deve mesmo ser o candidato. Por conta disso, resolvi dar uma desviada básica do tema da coluna, para dar minhas impressões sobre o discurso de Romney na cerimônia de formatura da Liberty University, já que eu estava presente na ocasião.

A formatura da Liberty aconteceu sábado passado e contou com mais de 30 mil pessoas presentes, entre formandos, parentes e professores. Foi uma cerimônia muito bonita e festiva, em um dia ensolarado e clima quase perfeito. Em pouco mais de 40 anos de existência, a Liberty University já se transformou na maior universidade do estado da Virginia, maior universidade privada dos Estados Unidos, e maior universidade Cristã do mundo. Algo extraordinário, fruto da fé inabalável de Jerry Falwell, fundador da universidade e de uma igreja que hoje conta com 40 mil membros.

Acomodar esse povo todo e as medidas de segurança por conta da visita de Romney, foi bastante trabalhoso e atrapalhou bastante o transito e o acesso ao estádio de futebol americano, local da cerimônia. O transito estava tão ruim que eu preferi descer do carro no meio do caminho e ir andando. Todos os 30 mil participantes tiveram que passar por um detector de metais e serem revistados; por isso a organização pediu para que os alunos chegassem às 6 da manhã e os professores às 8:30, embora a cerimônia tenha começado apenas às 10 horas.

A segurança se justificava; a Liberty é alvo em potencial de grupos radicais de esquerda, por conta de seu posicionamento conservador. Com a presença do virtual candidato republicano, os riscos eram muito maiores. Romney declinou a oferta de usar o esquema policial da universidade e levou seu próprio aparato; durante todo o evento, era possível ver policiais em pontos estratégicos, com binóculos vigiando tudo e a todos, isso sem falar nos agentes disfarçados, que ninguém viu, mas que estavam lá.

Romney, tem como grande trunfo na campanha presidencial, sua capacidade como administrador e sua experiência como empresário de sucesso e ex-governador de Massachusetts, onde arrumou as finanças do estado. Mas, o fato de ser mórmon tem causado certo desconforto junto ao eleitorado evangélico. Até mesmo sua escolha como orador oficial aqui na Liberty gerou algum descontentamento por parte de alguns alunos. Por isso mesmo, havia uma certa expectativa em como o público iria reagir ao seu discurso.

Mas, no final tudo correu de forma tranquila e pacífica, sem nenhum incidente que fosse visível. Romney fez um discurso muito bem escrito, sem politicagens explicitas e muito respeitoso aos alunos e principalmente aos pais e mães que tanto esforço fizeram para que seus filhos pudessem usufruir desse momento. Romney sabe muito bem o que é família; é casado há mais de 40 anos com a mesma esposa, tem cinco filhos e 18 netos. E foi justamente seu posicionamento sobre a instituição do casamento, o ponto mais polêmico de seu discurso. Romney afirmou com todas as letras que casamento é uma instituição entre um homem e uma mulher. A afirmação ganhou contornos gigantescos, por ter sido proferida pouco depois de Obama afirmar seu apoio à legalização do casamento homossexual nos Estados Unidos. O discurso na formatura da Liberty foi a primeira vez que Romney falou em público sobre o assunto após a controversa declaração do presidente Obama. Por isso mesmo, a imagem de Romney no pódio da Liberty rodou o mundo e saiu até no Jornal Nacional. Para quem é muitas vezes acusado de ser indeciso, Romney foi bem direto e corajoso.

Romney ganhou minha simpatia por não ter se aproveitado da ocasião para fazer politicagem barata e por ter sido gentil e ético, respeitando a ocasião e os convidados principais, os alunos e seus pais. De forma geral, Mitt Romney se saiu melhor do que a encomenda e deve também ter levado uma boa impressão da Liberty. Todos os presentes foram muito respeitosos e educados, e certamente fizeram Romney se sentir bem vindo.

Um abraço,

Leon Neto