Kirk Cameron é um desses atores americanos que fez sucesso bastante cedo em sua carreira. Ainda adolescente, estrelou uma série televisiva nos anos 80 que marcou época e conquistou enorme audiência. “Growing Pains”, caiu no gosto do publico pré-adolescente e catapultou Cameron ao status de celebridade num piscar de olhos.

Tudo parecia caminhar para uma carreira próspera e lucrativa para o jovem ator de sorriso maroto e rosto angelical, até que algo mudou radicalmente os rumos de sua vida. Kirk, que se auto-definia como ateu, resolveu aceitar um convite de um colega para assistir a um culto em sua Igreja. Após aquela noite, o ator se sentiu tão impactado com a noção de pecado e perdão, graça e salvação, que pouco tempo depois aceitou à Cristo como Salvador.

Desde então, tem se dedicado quase que exclusivamente à estrelar e produzir filmes com conteúdo Cristão, como a série “Deixados para Trás” e programas de televisão e radio, onde debate com evolucionistas e ateus.

O mais importante de tudo é que Kirk Camerom contradiz a tendência hollywoodiana de transformar atores-mirins em adultos desajustados e infelizes. Kirk é casado com a também atriz Chelsea Noble, desde de 1991 e com ela tem 6 filhos (2 biológicos e 4 adotados), e vivem uma vida equilibrada e feliz. Ambos criaram e sustentam um ministério que trabalha com acampamentos para adolescentes e se envolvem em muitos outros projetos de evangelismo e ação social.

Cameron acaba de lançar um novo filme “Fireproof” (ainda sem título no Brasil), e destinou todo o seu salário para o ministério que criou com sua esposa. O filme foi produzido pelo mesmo time de “Enfrentando os Gigantes” e conta a estória de um bombeiro ateu que vive um casamento prestes a desmoronar. Para atuar no filme, o ator teve que se submeter a um teste de cena como qualquer outro candidato, e passar por todas as etapas de preparação.

Me lembro de ter visto Kirk Cameron em uma Igreja em Fort Lauderdale, na Florida e ele se mostrou extremamente simpático e accessível para todos. Seu testemunho é poderoso e um “tapa na cara” nos valores fúteis e materialistas da indústria do show business americano. Muitos o vêem como um ator decadente que abriu mão de fama e fortuna no auge do sucesso. Mas quem o ouve falar do evangelho com tamanha paixão, consegue enxergar claramente que nadar contra a maré foi a melhor decisão de sua vida. Kirk escolheu a melhor porção e não os prazeres enganadores desse mundo.

Em uma recente entrevista, afirmou sobre seus filhos: “não, eu não os deixaria ingressar no meio artístico na idade em que eu comecei. Hollywoood é um lugar bastante complicado para se crescer. Já era ruim quando eu estava lá e agora parece que piorou ainda mais. Se meus filhos quiserem ser atores depois de crescidos, quando terminarem seus estudos, eu não vou me opor. Mas não enquanto crianças; não é um ambiente saudável para eles”.

Bom seria que os pais de Lindsay Lohan, Britney Spears e outras crianças-celebridades tivessem pensado da mesma forma…

Um abraço,

Leon Neto