Jorge da Capadócia, era um jovem soldado romano valoroso e Cristão ardoroso, que não renegou sua fé mesmo sob a cruel tortura empreendida pelo imperador Diocleciano. Jorge terminou por perder sua vida ao se recusar a prestar adoração aos deuses romanos no inicio do século IV. Um jovem admirável, sem duvida.

Davi, filho de Jessé, mostrou seu valor e sua fé ao enfrentar o gigante Golias de Gate, em um embate que valia a honra de sua nação. Mesmo em nítida desvantagem física, o jovem Davi, venceu o gigante que havia ofendido o Deus Yavé e o povo escolhido. Depois se tornou Rei de Israel e de sua linhagem nasceu Jesus Cristo, Salvador da humanidade. Outro jovem admirável.

Voltando ao século IV, com o passar dos anos, veio a adoção do Cristianismo pelo já decadente império Romano e o surgimento da Igreja católica Romana, que para substituir o panteão de deuses da mitologia Greco-romana, foi aos poucos adotando a veneração de santos. E claro que com o currículo de Jorge da Capadócia, não tardou muito para que ele virasse o tão conhecido São Jorge.

Davi, mesmo tendo pisado na bola algumas vezes, é considerado o melhor rei de toda a história de Israel, tanto que sua estrela estampa a bandeira do país ainda hoje. Seus salmos são das mais poéticas e tocantes passagens da Bíblia e ele é lembrado por todos como “o homem segundo o coração de Deus”.

Que culpa tem Jorge da Capadócia, se a igreja católica resolveu transforma-lo em santo ou ainda que a umbanda resolveu associa-lo a Ogum? O testemunho de Jorge é extraordinário e deveria ser admirado por todos, inclusive por nós evangélicos.

E que culpa tem Davi se o bispo Macedo resolveu usar sua história para produzir uma novela? Apesar de toda a banalização feita pela Record, o testemunho e a fé de Davi continuam admiráveis.

Jorge e Davi não tem nada a ver com essa disputa por audiência mesquinha e fútil, que pouco faz jus ao valor que ambos tem para a fé Cristã. Nós evangélicos somos tão belicosos em relação à idolatria da igreja católica por seus santos que às vezes nem nos damos ao trabalho de conhecer a vida de alguns deles, em muitos casos verdadeiros exemplos de fé e amor ao próximo.

Pouco importa para a igreja de Cristo se a Globo resolveu fazer uma novela com temática católica, espírita ou umbandista; deveríamos estar preocupados com outras coisas mais importantes, como pregar o Evangelho por exemplo. A Globo que faça o que bem entender. Aliás, se engana quem pensa que a Globo é espírita, católica ou umbandista; a Globo só adora a um deus: o dinheiro. Tanto é que até em atrações evangélicas está investindo, agora que o segmento cristão está em crescimento.

Por isso, vamos parar com essa bobagem de boicote ou de colocar Davi para brigar com São Jorge em horário nobre como se fosse um ringue de MMA, viu seu bispo! Os dois nunca foram e nem serão inimigos. O duelo em questão não tem nada a ver com eles, mas sim com duas emissoras gananciosas e inescrupulosas brigando por audiência.

Um abraço,

Leon Neto