Acabei de chegar de um evento que muito alegrou meu coração aqui em Lynchburg. Pelo terceiro ano consecutivo, o departamento de Worship da Libery University foi convidado a apresentar uma celebração de louvor na Igreja Batista Thomas Road, uma das maiores dos Estados Unidos, com cerca de 30 mil membros.

Sei que pode parecer meio anti-ético escrever sobre o departamento no qual trabalho, mas como não estive diretamente envolvido em nada na programação de hoje, me senti mais à vontade para falar sobre o assunto .

Foi uma noite realmente memorável. Nada de sofisticado ou rebuscado, apenas uma programação simples alternando musicas e leituras bíblicas, mas tudo feito com muito bom gosto e autenticidade. Tudo foi muito simples, muito embora ver um coral de mais de 400 vozes acompanhado de orquestra, conjunto de sinos, banda de louvor e solistas não deixou de ser impressionante.

Isso sem falar nas participações especiais de Ricky Skaggs e Babbie Mason, que estão aqui em Lynchburg para uma reunião do conselho do departamento e que de forma muito gentil concordaram em participar do evento. Skaggs é um musico country famosíssimo aqui nos estados unidos, ganhador de 14 Grammies e de muitos outros prêmios do gênero. Semana passada ele esteve participando como convidado especial do Country Music Association (CMA) award, o mais prestigiado premio de música country do mundo e hoje esteve na Thomas Road cantando com nossos alunos. Babbie Mason é uma cantora e compositora gospel de grande sucesso por aqui, que tem diversas canções que se tornaram clássicos da musica evangélica norte-americana e já se apresentou até na Casa Branca. Ambos participaram do programa com a mesma simplicidade e singeleza dos alunos; Babbie mesmo com aquela voz poderosa característica das grandes cantoras negras americanas cantou com o coração, sem fazer firulas exageradas e excessivas; Ricky Skaggs, apesar de ser um instrumentista virtuoso, cantou e tocou violão em uma canção simples de três acordes, mas com uma interpretação extremamente tocante que emocionou à todos.

Alias, essa foi a tônica da noite; ninguém chamou a atenção sobre si ou sobre a performance musical de quem quer que fosse, mas todos estiveram em sintonia no sentido de colocar Deus como o personagem central da noite. Assim, tudo fluiu com extrema naturalidade e as transições se fizeram de forma tranquila e fácil. Como é bom ver tantos jovens que levam Deus à serio e tem prazer em estar em Sua presença! Diante de um mundo onde há tantas distorções do evangelho, é um alento saber que muitos desses mesmos jovens estarão à frente dos ministérios de louvor do futuro.

Fiquei pensando em como seria bom que as Igrejas do Brasil tivessem acesso a eventos como esse. Talvez isso ajudasse a criar um conceito de louvor diferente desse que infelizmente impera em nosso país, onde se prega uma ideia de um louvor terapêutico, quase que de auto-ajuda, onde vai-se à igreja para aliviar o stress ou para se conseguir alguma graça; o louvor genuíno é aquele em que não se espera ganhar nada, receber nada, mas apenas entregar tudo que se é e tudo que se tem diante da presença de Deus e nela se deleitar pura e simplesmente.

O verdadeiro louvor é aquele que parte do coração, com singeleza e simplicidade, sem se copiar o modelo de ninguém ou se implantar estruturas pré-fabricadas, como que “franquias de louvor”. O verdadeiro louvor sempre é centrado na pessoa de Deus, e não no carisma de cantores ou bandas. E acima de tudo, o verdadeiro louvor é o que transcende o evento dominical e que se incorpora no nosso dia a dia, em tudo o que fazemos e dizemos, na forma que tratamos as pessoas, como administramos nosso tempo, como ajudamos os necessitados. E é a isso que fomos desafiados na noite hoje: a encarar louvor como estilo de vida.

Um abraço,

Leon Neto