A reintegração de posse de um terreno da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) causou tumulto e confusão na manhã desta quarta-feira (8), na Zona Oeste de Manaus (AM).

O local foi ocupado no último sábado por cerca de 400 membros da igreja Ministério Internacional da Colheita, que foram informados por um candidato a vereador que poderiam ocupar o lugar.

Na última segunda-feira, a prefeitura tentou retomar o local e houve confronto entre ocupantes e a Guarda Municipal, pelo menos cinco fiéis ficaram feridos.

De acordo com o apóstolo Rubens Ladislau, o suposto candidato, que não teve o nome identificado, informou aos dirigentes do ministério de que não haveria problemas na ocupação do terreno. “Ele nos garantiu que o terreno estava vazio e que não iriam usá-lo para nada”, afirmou.

Durante a desocupação, cerca de 100 manifestantes protestaram contra a atitude da prefeitura, reivindicando que o terreno era utilizado por bandidos para traficar drogas e cometer crimes.

“Aqui eram cometidos estupros e todos os tipos de vandalismos, com a nossa ocupação isso terminou”, afirmou o apóstolo.

Os agentes municipais que participaram da operação retiraram a tenda improvisada montada pelos ocupantes, além de levar todos os instrumentos musicais, bancos e objetos que se encontravam dentro da estrutura. Mesmo com a ação, eles garantiram que não vão se retirar do terreno.

Em nota, a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que o terreno, que antes funcionava a Maternidade Brigitta Daou, é uma área institucional, destinada à construção da futura Casa de Saúde da Mulher, cujo projeto está em fase de conclusão, para posterior processo licitatório.

[b]Fonte: Em Tempo[/b]