O pastor cristão Dmitry Shestakov foi sentenciado a quatro anos em uma penitenciária agrícola por ter praticado atividades religiosas “ilegais”.

O juiz Tulanov, do tribunal Criminal de Andijan deu a dura sentença contra Dmitry na sexta-feira, 9 de março, quase três semanas depois de o julgamento ter começado no Vale de Ferghana, região no leste do país.

Um pastor evangélico dos mais influentes no país disse que a condenação inesperada de Dmitry pode trazer “graves conseqüências” para os cristãos protestantes no Uzbequistão.

“Talvez já tenha até trazido”, o pastor contou ao Compass, dizendo que no fim de semana passado, muito mais incidentes contras os cristãos ocorreram em todo o país. “Coisas sérias estão acontecendo em regiões diferentes”, ele disse, se recusando a dar detalhes precisos. Leia a íntegra do caso de Dmitry.

Dmitry deve ficar na prisão de Andijan, onde esteve preso nas últimas seis semanas, até as autoridades escolherem o local onde ele irá cumprir sua sentença de quatro anos.
Embora Dmitry tenha problemas cardíacos e de hipertensão arterial, foi dito que as autoridades da prisão se recusaram a lhe entregar os remédios que a família levou para ele.

O Uzbequistão possui um número confidencial de penitenciárias agrícolas no estilo do sistema soviético de gulag, que sujeita os prisioneiros a trabalho pesado em áreas remotas.

“É o regime mais fácil, mas ainda assim é uma prisão”, contou um habitante do país.

Todos os prisioneiros devem trabalhar sete dias por semana em fábricas vizinhas ou em uma variedade de atividades agrícolas ou de construção. Dependendo da natureza do crime pelo qual estão presos, os detentos precisam se reportar diária ou semanalmente aos policiais da penitenciaria. Eles podem receber uma visita privativa de 24 horas uma vez por mês, em um cômodo particular, e também podem receber visitas curtas depois das horas de trabalho.

Aos cuidados do comandante da penitenciaria, as famílias dos prisioneiros podem às vezes viver com eles dentro do perímetro cercado da prisão, onde eles podem criar gado e cultivar vegetais para complementar a pequena ração diária fornecida pelo presídio.

O regime uzbeque se tornou mais intolerante às atividades religiosas durante o ano passado, oprimindo em especial os cristãos protestantes e grupos muçulmanos.

Novas restrições punitivas foram introduzidas por envolvimento em cultos e atividades religiosas “não registrados” e ao possuir e distribuir livros religiosos. É estritamente proibido persuadir membros de comunidades religiosas diferentes a se converter a outra religião.

Fonte: Portas Abertas