Centenas de pessoas se reuniram na igreja de Popu Sang, na Carolina do Norte, para fazer as celebrações da cultura Montagnard e chamar a atenção para os que estão detidos, em prisões do Vietnã, por serem membros de igrejas domésticas cristãs e de outras atividades religiosas.

De acordo com os líderes da conferência, o governo dos EUA está “de olhos fechados” para o que realmente acontece no Vietnã.

A convenção, patrocinada pela Fundação Montagnard, iniciou o evento com uma oração pelos prisioneiros montagnards e suas famílias. O evento chamou a atenção para a repressão severa que os cristãos de Montagnard recebem no Vietnã, pedindo ao governo de Obama que negocie com o governo vietnamita, para que haja um fim na perseguição religiosa no país, ou ele será colocado na lista de Países de Preocupação Específica (CPC).

A conferência contou com a participação de pessoas que foram presas por participarem de igrejas domésticas. Algumas eram ex-prisioneiros, que cumpriram penas de cinco ou mais anos nas prisões comunistas.

Enquanto muitos dos presentes eram nascidos nos EUA, e nunca conheceram a perseguição religiosa, outros vieram fugidos do Vietnã e trouxeram consigo cicatrizes e lembranças da brutalidade que sofreram. Pelo menos 40 dos participantes levaram fotos de seus entes que foram presos ou mortos.

[b]Os montagnards
[/b]
Scott Johnson, advogado, escritor e ativista dos direitos humanos, tem defendido a causa dos montagnards. Na conferência, ele observou que os montagnards eram aliados dos EUA durante a guerra do Vietnã. Após o término da guerra, essas pessoas têm sido alvos de extrema repressão e genocídios organizados pelo governo vietnamita.

Johnson disse que até o final da guerra, em 1975, um quarto da população de montagnards estimada pagou o sacrifício supremo por sua fé.
“Os montagnards têm sido deliberadamente marginalizados como perdedores da guerra e sobrevivem hoje em um cotidiano de pobreza extrema”, escreveu Johnson no Asian Times.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]