O Secretário Geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), Reverendo Luiz Alberto Barbosa, enviou carta de divulgação do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a ser celebrado no dia 21 de janeiro.

O documento destaca a iniciativa do Governo Federal, a determinação de que a data passe a integrar o Calendário Cívico da União e seja celebrada nacionalmente.

O documento conclama lideranças e membros de igrejas cristãs brasileiras a refletirem sobre o tema, enfatizando que “como Igrejas Cristãs somos também chamados a refletir internamente como andam as nossas ações em relação ao próximo, principalmente em relação àqueles que não professam as mesmas crenças que nós, seja dentro do âmbito do Cristianismo, no exercício do diálogo ecumênico, assim como na relação com os nossos irmãos e irmãos de outras religiões, no diálogo inter-religioso”.

Com clareza teológica e pastoral, o documento do organismo de igrejas cristãs, observa que “muitas vezes a razão humana é ofuscada por uma névoa de intolerância fundamentada em princípios religiosos capazes de levar às maiores atrocidades contra o próximo”, e destaca que “como Cristãos somos chamados a estar sempre alertas, olhando sempre com o olhar misericordioso de Jesus, que na Parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 25-37) nos ensina na prática a lição da tolerância e do amor fraterno”.

Sem perder o tom de convite que toca a consciência cristã, a missiva insiste que “usar o nome de Deus para perseguir, humilhar, agredir ou mesmo matar o próximo é algo inconcebível, e com certeza condenado, por qualquer religião. Segundo o clérigo anglicano, “na palavra Tolerância encontra-se contido o sentido pleno de humanidade, igualdade de oportunidades e condições e livre pensar e crer”, esclarecendo ainda que tolerar “não significa compactuar com tudo, ou seja, com comportamentos que infrinjam a ordem jurídica, ética ou moral de uma sociedade”.

E conclui, afirmando que o “Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa serve para nos mostrar que ainda estamos muito distantes do cumprimento deste mandamento de Cristo” e lembrando que “a próxima Campanha da Fraternidade Ecumênica, que se inicia no dia 17 de fevereiro, é mais um momento em que, como Igrejas, podemos dar o testemunho de que conseguimos trabalhar em conjunto, no exercício prático da tolerância fraterna, na busca de um mundo melhor e solidário para todos”.

Fonte: ALC