O Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) finalizou sua reunião, celebrada de 13 a 20 de fevereiro em Genebra, na qual deu novos passos para a ampliação da Assembléia do CMI, acolheu novas Igrejas Membros, nomeou um comitê de busca para designar um novo secretário-geral e celebrou o 60º aniversário do Conselho.

O principal órgão reitor do CMI aprovou também várias declarações públicas, assuntos de política e planos do programa.

«Esta reunião nos permitiu reforçar os programas do Conselho e avançar como Igrejas em muitos aspectos em nosso caminho ecumênico, com o fim de exortar-nos umas a outras à unidade visível», disse o moderador do Comitê Central, Walter Altmann, na conferência de imprensa de encerramento, segundo informa o site do CMI.

«Depois de um período dedicado a traduzir em programas o mandato da Assembléia de Porto Alegre, e após ter aprovado novas estratégias de comunicação e arrecadação de fundos, temos agora tudo preparado para realizar nosso trabalho», acrescentou o secretário geral do CMI, Samuel Kobia.

Com uma cerimônia festiva na catedral de Saint-Pierre de Genebra, celebrou-se o 60º aniversário do CMI que se comemora este ano sob o tema «Juntos fazemos diferença». Os membros do Comitê Central, assim como outros representantes de Igrejas locais, interlocutores membros e hóspedes internacionais, agradeceram a Deus pelo dom da comunidade que resistiu muitos desafios ao longo de suas seis décadas de existência.

O patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, recordou aos participantes na cerimônia que o CMI ofereceu «uma plataforma ideal» para que as igrejas se comprometam no diálogo e promovam a unidade cristã, assim como para responder às necessidades da sociedade.

Duas Igrejas de dois lados opostos do mundo foram recebidas em plena comunidade. Com relação às diretrizes do CMI sobre a adesão de novos membros, a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil e a Igreja Evangélica de Laos haviam sido acolhidas por um período provisório há 18 meses.

O Comitê Central do CMI elegeu Kingston, Jamaica, como lugar para a celebração da Convocatória Ecumênica Internacional pela Paz (CEIP) de 2011. A CEIP culminará a Década do CMI para Superar a Violência 2001-2010: as igrejas em busca de reconciliação e de paz. Espera-se que se reúnam mais de 2.000 participantes sob o tema «Glória a Deus e paz na terra».

Examinou-se e aprovou a proposta, que surgiu na Assembléia de Porto Alegre de 2006, de oferecer «um espaço ampliado» na próxima Assembléia do CMI. Nomeou-se um «comitê de discernimento» para levar adiante o processo. O objetivo é conseguir uma participação mais ampla de interlocutores ecumênicos e Igrejas não-membros, sem pôr em perigo as realizações passadas ou a identidade e metodologia do CMI. Encarregou-se ao secretário geral do CMI que comece a estudar o lugar apropriado para celebrar a próxima Assembléia, programada para 2013.

Após a decisão do atual secretário-geral, Samuel Kobia, de não se apresentar para outro mandato, o Comitê Central nomeou um comitê de busca para cobrir o cargo em sua próxima reunião de setembro de 2009.

«O Comitê Central recebeu esta notícia com tristeza, mas aceitou a decisão do secretário-geral», disse Altmann, que expressou também «profundo agradecimento pela dedicação e pelos serviços» de Kobia. E acrescentou que Kobia tem «pleno apoio para desempenhar suas funções até o final de seu mandato».

Kobia se manterá em seu cargo até 31 de dezembro de 2008. Em 1º de janeiro de 2009, assumirá o cargo um secretário-geral em funções até que o novo secretário-geral eleito pelo Comitê Central em sua reunião de setembro de 2009 assuma o cargo, provavelmente no final de 2009.

Recordando a «Nota sobre Kosovo», aprovada em sua reunião de setembro de 2006, o Comitê Central pediu ao secretário-geral que envie uma carta de apoio ao Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa Sérvia, expressando seu apoio aos esforços encaminhados à paz.
A Igreja Católica não está afiliada, ainda que mantenha uma relação de trabalho regular com o Conselho Mundial.

Fonte: Zenit