A canonização da primeira santa indiana, Afonsa da Imaculada Conceição, no último dia 12, no Vaticano, teve uma ressonância especial na Índia. No mesmo dia, o evento reuniu cristãos, hindus e muçulmanos em torno do seu túmulo em Bharanan-ganam, Kérala.

Apesar do mal tempo, 50 mil pessoas peregrinaram à capela que contém as relíquias da religiosa. A multidão assistiu comovida a transmissão televisiva da sua canonização.

No entanto, no dia da sua canonização, uma igreja foi queimada por hinduístas em Madya Pradesh, enquanto o Papa Bento XVI assegurava aos cristãos da Índia sua comunhão com seus recentes sofrimentos e perseguições.

Neste contexto, a Igreja católica na Índia fez uma solicitação explícita ao governo para que detenha todo tipo de agressão contra as minorias religiosas.

Com efeito, nos dias passados, reuniu-se o Conselho Nacional para a Integração, composto por representantes do mundo político, civil, religioso. O Conselho foi criado para resolver temas e questões delicadas de conflito e violência na sociedade indiana.

O Conselho, que não se reunia há três anos, contou com a presença do arcebispo de Nova Délhi, Dom Vincent Concessao. Os participantes examinaram a fundo o preocupante fenômeno das violências anti-cristãs, e adotou uma medida legislativa para deter a campanha de violência contra a comunidade religiosa cristã.

Assim, o Conselho decidiu acabar com tal campanha de ódio ideológico, condenando os autores dos crimes, segundo as leis vigentes; e garantir às minorias religiosas e culturais os mesmos direitos e deveres.

Fonte: Rádio Vaticano